A bola rolou pela primeira vez na Arena da Amazônia no dia 9 de março de 2014. Nacional (AM) e Remo (PA) empataram em 2 x 2, em partida válida pelas quartas de final da Copa Verde. O evento-teste oficial da FIFA no estádio aconteceu quase um mês depois, na partida entre Resende (RJ) 0 x 0 Vasco (RJ), pela Copa do Brasil. O primeiro jogo foi liberado para 20 mil torcedores, enquanto o confronto entre os cariocas recebeu pouco mais de 40 mil pessoas.

Com uma área total construída de 83,5 mil metros quadrados, a arena terá capacidade para 44,5 mil torcedores, sendo 40 mil durante o Mundial. Cerca de 2,1 mil operários trabalharam na obra, que teve início em julho de 2010, com a desmontagem do antigo estádio Vivaldo Lima, inaugurado em 1970. O projeto está orçado em R$ 669,5 milhões, com R$ 400 milhões de financiamento federal via Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

A saga da fachada

Clique na imagem para ver o infográfico completo#Os projetistas da Arena da Amazônia desenharam o estádio inspirados em um cesto de palha indígena carregado de frutas típicas do Brasil. A fachada é composta de estruturas metálicas no formato da letra X, que vão diminuindo de tamanho até a cobertura. Os assentos, em variados tons de amarelo, laranja e vermelho, remetem à tradição e à natureza brasileiras.

A montagem da fachada e da cobertura da Arena da Amazônia, que dão forma ao "cesto indígena", foi uma das etapas mais complexas. Os módulos em X foram fabricados em Portugal e transportados por navios até o porto de Manaus. Juntos, pesam sete mil toneladas. Foram necessários três embarques, entre março e outubro de 2013, desde o porto de Aveiro até o de Chibatão, para completar todo o carregamento. Cada navio levou, em média, 15 dias de viagem entre a Europa e o Brasil.

Para levar as peças do porto ao canteiro de obras em Manaus foram utilizadas 70 carretas. O fechamento da estrutura metálica foi feito com 252 painéis de membrana confeccionada em teflon e fibra de vidro, garantindo durabilidade, resistência, incombustão, reflexão da luz solar e translucidez ao material.

Acesso

Os torcedores que forem aos quatro jogos da Copa do Mundo em Manaus, poderão acessar a Arena da Amazônia por meio de quatro rampas, duas maiores no lado leste - em frente a uma das principais avenidas da cidade, a Constantino Nery -, outra no sul e outra no norte. Ao redor do estádio há uma esplanada de 33 mil metros quadrados, a 11 metros de altura das vias, para facilitar a circulação do público.

Os acessos principais para o público levarão ao pódio, que é o nível intermediário da arena. Por lá, as pessoas poderão se dirigir às arquibancadas inferiores, superiores ou aos 61 camarotes. Também é neste anel que está localizada a maior parte dos 98 banheiros, sendo 16 para deficientes, e dos 17 quiosques de alimentação.

» Confira os jogos de Manaus na Copa do Mundo

Portal da Copa#

Conforto e segurança

Há três tipos de assentos, todos rebatíveis. A diferença entre eles é que, em alguns setores, as cadeiras têm braços e/ou estofamento. Foram reservados 118 assentos para pessoas com mobilidade reduzida, 69 para obesos e mais 445 para acompanhantes. Os deficientes ainda contarão com piso tátil e sinalização específica.

O estacionamento dentro da área da Arena da Amazônia tem 264 vagas para automóveis, 32 para motos, 16 para idosos e 20 para veículos ecoeficientes. Outro estacionamento está sendo preparado numa área próxima, com capacidade para 2.500 vagas e atenderá a todo o complexo ao redor do estádio, que tem um centro de convenções, um sambódromo e um ginásio.

A estrutura de segurança conta com 85 câmeras, que permitem reconhecimento facial e são monitoradas por um centro de comando e controle. As informações são transmitidas por um sistema sonoro, composto por 24 alto-falantes, e pelos dois telões de 60 m², localizados em lados opostos da cobertura, no centro do campo.

Portal da Copa#

Gramado

Com dimensões de 105 metros por 68 metros, o gramado da Arena da Amazônia foi plantado com a espécie Bermuda Tifway 419, apropriada para o clima da região e mais resistente ao pisoteio. O campo foi plantado em mudas, que vieram de São José dos Campos (SP) em contêineres refrigerados. Elas estão enraizadas e em condição de jogo desde o final de dezembro.

A irrigação é automatizada e feita por 35 aspersores. Com capacidade para 120 mil litros, os reservatórios armazenam a chuva captada pela cobertura.

Para a iluminação do campo, 420 refletores vão garantir uma luz homogênea, sem sombreamentos, apropriada para transmissões em alta definição.

Confira todos os detalhes da Arena da Amazônia

» Vídeo, fotos e infográfico: conheça os detalhes da Arena da Amazônia

» Arena da Amazônia: multiuso e sustentável, estádio reúne melhores condições para os atletas

» Arena da Amazônia: fachada e cobertura reproduzem cesto de palha indígena

» Arena da Amazônia: acessibilidade, conforto e segurança para os torcedores

» A presidenta Dilma Rousseff acompanhou a reta final das obras, no dia 14 de fevereiro

» Autoridades e torcedores avaliam inauguração da Arena da Amazônia e apontam possíveis ajustes

» Evento-teste para a Copa na Arena da Amazônia reúne mais de 40 mil espectadores

Portal da Copa#

Portal da Copa