Último jogo na Arena Pernambuco registra recorde de passageiros no BRT

30/06/2014 - 13:24
O modal foi responsável por transportar 19% dos torcedores à Arena Pernambuco. O transporte público concentrou 71% dos passageiros

Passado o jogo entre Costa Rica e Grécia, no domingo (29.06), a Copa do Mundo FIFA Brasil 2014 acabou para Recife, mas deixou legados. Um deles foi a valorização do transporte público, que teve o Bus Rapid Transit (BRT) como grande novidade para a população. A boa fama do modal foi crescendo à medida que a competição avançava. Se no primeiro jogo 5% dos torcedores optaram pelo BRT, na última partida o número saltou para 19%. O transporte público, mais uma vez, bateu recorde, sendo responsável por transportar 71% dos 41.242 torcedores presentes ao estádio.

Muita gente que não costuma fazer opões por ônibus ou metrô no dia a dia escolheu os modais públicos para chegar à arena e terminou se surpreendendo. “Certamente, quem usou o BRT se transformou em divulgador do sistema. Essa experiência na Copa vai reafirmar a importância do transporte coletivo na Região Metropolitana de Recife”, disse o secretário extraordinário da Copa em Pernambuco, Ricardo Leitão. Nesta segunda-feira (30.06), mais três estações do sistema foram inauguradas. Com isso, seis das 12 estações previstas para o Corredor Leste-Oeste estão abertas à população. Ainda como resultado do Mundial, o secretário lembrou que o plano de mobilidade montado para dias de jogo poderá ser replicado nos eventos de grande porte realizados na arena.

Fotos: Laura Cortizo/Portal da Copa#Ônibus que trafega em corredores expressos, o BRT foi utilizado por 19% dos torcedores que se deslocaram à Arena Pernambuco

A operação de mobilidade começou às 11h40 e terminou às 22h45 em função da prorrogação do jogo. O expressivo aumento da demanda no BRT provocou filas no embarque, sobretudo no retorno da partida. “Houve aquela concentração normal de pessoas querendo sair todas ao mesmo tempo. É a ansiedade de querer voltar para casa, até porque teve a prorrogação”, pontuou a secretária estadual das Cidades, Ana Suassuna, que classificou o modal como o grande sucesso do plano de mobilidade.

Segundo ela, a situação foi resolvida com o aumento no número de ônibus utilizados na operação, que era de 35 no jogo do dia 26 de junho, e passou para 46 na partida do domingo. O intervalo entre as viagens também foi diminuído: de 3,5 minutos para 2,7 minutos em média. “Realmente não faltou ônibus para ninguém e o embarque estava rápido. Na volta, entretanto, faltou quem orientasse o andamento das filas”, avaliou a publicitária pernambucana Camila Campos.

Metrô

Apesar do sucesso do BRT, o metrô permaneceu como o modal mais utilizado por quem foi à arena conferir a vitória dos “Ticos” sobre a Grécia, transportando 26% do total de torcedores. O número foi menor do que os 39% registrados na partida entre Alemanha e Estados Unidos, quando a capital pernambucana foi afetada por fortes chuvas. “No jogo anterior houve muitos estrangeiros que estavam na Zona Sul e por isso optaram pelo metrô. A chuva também contribuiu, pois o metrô é o modal menos afetado por ela”, explicou o coordenador de planejamento e integração da Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU), Maurício Meireles. Para ele, o grande mérito da operação de mobilidade foi ter promovido uma integração no funcionamento dos meios públicos de transporte.

Por fim, os estacionamentos periféricos do RioMar, Cordeiro e Parqtel – que usam ônibus circulares para deixar e pegar torcedores no estádio - representaram 26% do transporte público. O programa Pernambuco Conduz, responsável por levar pessoas com dificuldade de locomoção, contou com 24 vans que transportaram 1.194 pessoas.

Segurança

Quem também comemora a operação na partida é a equipe de segurança, que contou com 2.300 profissionais. Foram registrados 17 boletins de ocorrência nas delegacias localizadas nas áreas interna e externa da arena, a maioria por extravio e furto. Também foram lavrados quatro Termos Circunstaciados de Ocorrência (TOCs), abrangendo dez pessoas envolvidas em caso de falsidade ideológica. “As pessoas estavam usando credenciais de terceiros. Haverá desdobramento do caso, porque quem entregou as credenciais também é responsável. Agora é aprofundar a investigação”, explicou o coordenador do Centro Integrado de Comando e Controle Regional, Alexandre Lucena.

Montado para a Copa das Confederações e para a Copa do Mundo, o CICCR funcionou integrando dezenas de instituições públicas e privadas de segurança e logística. Durante todo o período em que o Mundial aconteceu na cidade, foram monitoradas 535 câmeras. Toda a estrutura ficará como legado para o estado. “O Centro vai ser entregue a Pernambuco e tenho certeza de que vão fazer um excelente uso dele”, pontuou Lucena.

Saúde

Foram realizados 164 atendimentos dentro da Arena Pernambuco, sendo 78 em torcedores e 86 em trabalhadores. Desse número, três foram de maior complexidade e motivaram o encaminhamento dos pacientes para a rede privada de saúde e para a Unidade Avançada de Apoio (UAA), que, por sua vez, recebeu um total de 12 pessoas. Mais uma vez, as vigilâncias Epidemiológica e Vigilância não identificaram qualquer  irregularidade. Já a Operação Lei Seca abordou 1.092 veículos e constatou que 16 condutores apresentavam álcool no sangue e um cometeu crime de trânsito.

Laura Cortizo, do Portal da Copa em Recife

Notícias Relacionadas

Estruturas como o Centro Integrado de Comando e Controle Móvel, usado no Mundial, foram empregadas na competição de vela que está sendo realizada no Rio de Janeiro
+
Foi movimentado mais de um bilhão de reais na economia do estado, que recebeu 160 mil turistas estrangeiros e teve taxa média de ocupação hoteleira de 80%
+
Centro Integrado de Comando e Controle regional realizou 1,1 monitoramentos diários e acompanhou 300 atividades essenciais durante os 31 dias do Mundial na capital mineira
+
Profissionais federais e distritais trabalharão juntos em evento que terá 19 chefes de Estado
+