Treinador e atletas destacam estilo de jogo da Espanha como trunfo para a final

29/06/2013 - 22:41
Goleiro Casillas ressalta qualidade da equipe brasileira, que deve crescer com apoio da torcida. Meio-campista Xavi descarta favoritismo de qualquer uma das seleções. Equipe treinou no Maracanã, neste sábado

Danilo Borges/ Portal da Copa#

Dois símbolos da geração mais vitoriosa da história do futebol espanhol, o goleiro Iker Casillas e o meio campista Xavi Hernández conversaram com a imprensa antes do treino no Maracanã, neste sábado (29.06). Diferentemente do que havia dito Neymar, na sexta-feira, o camisa 8 da Espanha afirmou que não há favoritismo na final da Copa das Confederações e fez questão de exaltar a história do futebol brasileiro.

“Penso como os técnicos (de Brasil e Espanha): que as duas equipes têm, cada uma, 50% de chance, pois vivem um bom momento. O Brasil joga em casa, no campo onde costuma jogar. Vai ser uma partida igual. Eles têm um bloco defensivo e um ofensivo e o técnico sabe armar boas táticas. Trataremos de manter a posse de bola, que é como nos sentimos confortáveis”, disse Xavi.

Danilo Borges/ Portal da Copa#Xavi: "Tenho orgulho de estar aqui e não é fácil ter êxito e seguir ganhando” “A Espanha tem uma filosofia muito clara, já de muitos anos, de manter a posse de bola, ser o protagonista do jogo. O fato de termos tido tantos resultados nos faz querer ainda mais usar essa filosofia. O Brasil é praticamente a melhor equipe da história do futebol e poder enfrentá-los, neste momento, é algo fantástico, gostaríamos muito de ganhar, sabemos da dificuldade, mas faremos de tudo para conseguir”, acrescentou.

Para Xavi, o título da Copa das Confederações encerraria um ciclo vitorioso da seleção. “Gostaria de acabar esse ciclo e começar outro, que passa por classificar para o Mundial, onde estamos bem encaminhados nas eliminatórias. Esse grupo tem mérito, junto com a comissão técnica. Tenho orgulho de estar aqui e não é fácil ter êxito e seguir ganhando”. Ele ainda falou da expectativa para o duelo de domingo: “Uma final contra o Brasil, no Maracanã, se pudesse escolher uma partida, seria essa”.

Para o goleiro espanhol, o confronto entre os maiores e os atuais campeões do mundo também era a partida mais aguardada. “Chegaram as duas equipes que estou convencido que todos queriam ver na final da Copa das Confederações”, comentou Casillas, para ressaltar a qualidade do grupo brasileiro. “Neymar é um grande jogador, mas há outros. Não temos que focar em um, há vários com muita qualidade, que mostraram suas características na Europa. O Brasil está bem, se mostrou forte, fez muitos gols e diante da torcida vão querer fazer o melhor”, concluiu o capitão espanhol.

Escalação

O treinador Vicente del Bosque não adiantou a equipe que mandará a campo contra o Brasil, mas fez questão de ressaltar que, independentemente de quem entre, o estilo de jogo será mantido. “Não escolhi ainda, amanhã verei quem vai jogar, mas também não faz diferença saber quem vai entrar, porque não vamos mudar nossa maneira de jogar”.

Mesmo com a torcida contra, ele confia na experiência dos atletas para enfrentar as situações adversas. “Não vai influenciar em nada, apesar de não ter a torcida a favor, são jogadores experientes e maduros e isso não deve nos afetar”, disse, para depois destacar a evolução da Seleção Brasileira no torneio. “O Brasil, durante um período, ficou sem uma partida oficial, mas buscou amistosos com adversários fortes, evoluiu na Copa das Confederações e chega em um bom momento”.

Por fim, Vicente del Bosque falou sobre a alegria de disputar uma final no Maracanã. “Uma satisfação, será um dia feliz, de festa, apesar da nossa responsabilidade. Estamos falando de Brasil, os pais do futebol e de um estádio como o Maracanã, então estamos felizes em jogar aqui a final e tomara que possamos também jogar aqui em 2014”.

Gabriel Fialho - Portal da Copa

Notícias Relacionadas

Secretário executivo do Ministério do Esporte afirma que o aprendizado adquirido com o Mundial dará melhores condições para o Brasil enfrentar os desafios da preparação do maior evento esportivo do planeta
+
Os legados esportivos, econômicos, de infraestrutura, de imagem e promoção do Brasil, dentre outros, serão abordados nos dois dias de palestras
+
Estruturas como o Centro Integrado de Comando e Controle Móvel, usado no Mundial, foram empregadas na competição de vela que está sendo realizada no Rio de Janeiro
+