Autoridades e torcedores avaliam inauguração da Arena da Amazônia e apontam possíveis ajustes

09/03/2014 - 23:57
Público, operários e responsáveis pela obra destacam conforto, segurança e beleza da arena como pontos positivos. Serviços nos bares podem ser aprimorados. Em campo, com o empate em 2 x 2, o Remo eliminou o Nacional da Copa Verde

Paulino Menezes/Portal da Copa/ME#A Arena da Amazônia foi apresentada ao público, neste domingo (09.02), no jogo entre Nacional (AM) 2 x 2 Remo (PA). Apesar do empate não ter sido comemorado pela maioria dos 20 mil torcedores, já que o time local foi eliminado da Copa Verde, a população amazonense se mostrou orgulhosa com o estádio de Manaus para a Copa do Mundo. A qualidade da construção, o acesso, o conforto e a segurança foram alguns dos pontos elogiados, enquanto o serviço nos bares foi apontado como o principal aspecto a ser aprimorado.

CEO do Comitê Organizador Local, Ricardo Trade destacou a beleza conceitual e arquitetônica da arena e a qualidade do gramado, e reforçou que os testes antes da Copa são essenciais exatamente para que pontos a serem ajustados sejam percebidos antes do megaevento.

"Para mim, em relação à estética e à beleza, essa é a arena mais bonita, junto com a de Natal. O gramado foi uma constatação boa, porque esperávamos que estivesse em boas condições, por toda a preparação que houve. Embora não fosse um evento-teste oficial, com nossa equipe, foi diferente porque foi um jogo valendo vaga, uma decisão, com assentos marcados. Outra coisa nova foi a presença dos stewards, o perímetro de segurança. Alguma coisa pode não funcionar direito, mas o teste é para isso, para dar esse ajuste fino", afirmou. 

Um dos pontos a ser aprimorado na operação é o serviço de bares, como avaliou Miguel Capobiango, coordenador da Unidade Gestora da Copa (UGP Copa). Para ele, há a necessidade de aumentar a quantidade de quiosques móveis de venda, além dos bares. "Estávamos preparados para qualquer tipo de incerteza, mas não para a venda de produtos. Teríamos que ter uma outra operadora para dar suporte", afirmou.

» Vídeo, fotos e infográficos: conheça todos os detalhes da Arena da Amazônia

Opinião compartilhada por torcedores que citaram filas e tempo de espera no atendimento como pontos de atenção. “Vim para a fila 15 minutos antes de acabar o primeiro tempo e já vai começar o segundo e não fui atendido. Não há funcionários em número suficiente, o mesmo que recebe o dinheiro e dá o troco te atende”, afirmou Francisco Alves, técnico em eletrônica, em um dos bares do setor sul. Em outros pontos, como um quiosque no setor leste da esplanada, o problema apontado foi a falta de produtos ainda no primeiro tempo.

Outro imprevisto foi a indicação de assentos inexistentes em alguns ingressos, problema que foi contornado com o direcionamento dos torcedores para a arquibancada superior leste da arena, próximo à tribuna de imprensa, que estava vazia. “O mapa entregue para a gráfica estava correto, mas como os assentos têm uma sequência e há uma falha que são os túneis de acesso ao campo, acho que o pessoal da gráfica rodou direto e não percebeu que tinha que retirar esses ingressos. Mas, o primeiro teste é para isso, é um ponto crítico que tem que ser avaliado e validado e não pode acontecer de novo”, explicou o coordenador da UGP Copa.

Segundo Capobiango, as experiências da inauguração já serão levadas em conta para o próximo teste no estádio, marcado para sábado (15.03). A partida entre Fast Clube e Princesa do Solimões é válida pela final do primeiro turno do Campeonato Amazonense. 

Arena da Amazônia - Jogo inaugural

Arena da Amazônia - Jogo inaugural

Orgulho de quem fez e de quem conheceu

Rodolfo Vilela#Ribamar mostra orgulho em ser amazonense e paixão pelo NacionalSe há pontos de ajuste, há também orgulho manifesto. "Eu vim de ônibus. Foi fácil, estava tranquilo o acesso em volta da arena. O ambiente está legal. O que mais me chamou a atenção foi o gramado, um tapete. Estava até comentando com meu amigo que esse gramado é para jogador bom. Jogador bom vai deslanchar nesse campo", comentou o militar Luis Fabiano da Silva.

"Para um teste eu achei que ia encontrar mais dificuldades. As pessoas foram atenciosas, bem informadas e nos trouxeram até aqui. A tendência é melhorar", avaliou Mário da Silva, que estava acompanhado da filha de 13 anos, Amanda Farias. Cadeirante, ela elogiou o acesso por rampas, as catracas reservadas para deficientes na entrada do estádio e a orientação dos voluntários. "O estádio está preparado", resumiu.

“Para nós amazonenses, como a gente não tem obras grandes, chega a emocionar. É uma coisa que vai ficar para filhos e netos e espero que nosso futebol comece a crescer”, destacou o motorista Ribamar Oliveira, enrolado na bandeira do Nacional. “Ninguém me influenciou a torcer, foi por amor. Quem é Nacional não mede esforços para acompanhar o time”.

"Essa afinidade da população com a arena foi muito positiva. As pessoas compreenderam o quanto ela pode gerar em visibilidade. Há uma identidade grande com a arquitetura que evidencia alguns símbolos próprios da região. As  parcerias também funcionaram. As entidades compreenderam a importância desse primeiro evento: a policia, os bombeiros, os voluntários da Universidade do Estado do Amazonas, todos estiveram engajados e responderam muito bem", disse Capobiango. Para ele, um dos pontos altos foi a execução do Hino Nacional pela orquestra sinfônica, com o Coral do Amazonas. 

Gabriel Fialho/ Portal da Copa#Operários revelam sentimento de orgulho e dever cumprido

Na arquibancada, sete mil operários que participaram da construção, como José Adeílson, 35 anos, encarregado de produção, ganharam ingressos para assistir ao primeiro jogo no estádio que ajudaram a edificar. “Dá orgulho ver uma obra dessa pronta. Nunca pensei em participar de uma obra da Copa. Aqui nós temos a Amazônia, um estádio da Copa dentro da floresta, um povo hospitaleiro, um mercado forte, indústria, então, só fico triste quando vejo as manchetes falando mal daqui. O pessoal tem que vir para conhecer a nossa cultura”, afirmou Adeílson.

Josemar Serrão, que participou da demolição do antigo estádio Vivaldo Lima, narrou sua sensação no novo palco. “Ajudei a demolir o antigo estádio para construir essa beleza. No começo era meio triste, porque não sabia como ia ser o estádio novo, mas quando começaram a chegar as estruturas, vi que seria algo grandioso. Fui tendo noção que seria um estádio de primeiro mundo”. Para ele, ver a arena inaugurada e cheia de torcedores é a realização de um sonho. “A expectativa era ver um grande jogo. Eu sonhava ver o estádio assim. É emocionante”, resume.

Já Marcos Leite, que trabalha na parte de hidráulica da arena, estava em serviço na hora do jogo para dar apoio na operação do estádio. Para ele, a recompensa foi ver a arquibancada cheia. “Representa o dever cumprido, com muita dedicação. Nosso retorno é ver esse estádio cheio e seguro, mostra que com muita luta conseguimos vencer”. Satisfação compartilhada em dobro pelo colega paraense e carpinteiro, Romildo Gama. “Gosto ainda mais especial ver o meu time classificado. Só não deu para comemorar que hoje estou em serviço”, disse. Os operários em serviço puderam dar as entradas a outros familiares.

Foto: Paulino Menezes/Portal da Copa/ME#

Placas oficiais

Com os portões abertos quatro horas antes do início da partida, o público foi chegando aos poucos e uma hora antes do apito inicial, dado às 18h30 (19h30 de Brasília), a arquibancada inferior, a tribuna de imprensa e as áreas Vips estavam quase cheias.

Antes de a bola rolar, o ministro do Esporte, Aldo Rebelo, o governador do Amazonas, Omar Aziz, e o prefeito de Manaus, Artur Neto, entraram em campo para descerrar duas placas que marcaram a inauguração do estádio. “Eu espero que a população amazonense fique feliz e satisfeita em saber que nós não podemos nos sentir menores do que ninguém. Mostramos que temos capacidade de construir algo grandioso e demos uma demonstração clara de que somos iguais a qualquer estado brasileiro”, disse Aziz.

“A recepção a esse jogo é uma prova de que a arena já tem condições de se submeter aos eventos testes. Eu acho que o Amazonas, a Amazônia e o Brasil estão de parabéns”, afirmou Aldo Rebelo. "Este estádio é um orgulho não só para a Amazônia, mas para o Brasil inteiro. Será fator impetrante para a qualificação do futebol na Região Norte e palco de bons jogos regionais, como o que assistimos hoje e, também, dos campeonatos nacionais", completou o ministro.

A diretoria dos Correios no Amazonas anunciou o lançamento do selo comemorativo da Copa, com o cartaz da cidade-sede de Manaus. Depois das cerimônias, foi a vez do animador do estádio levantar a torcida pedindo as “olas”, conhecidas por "banzeiros" na região.

 

Rodolfo Vilela#

Paixão cultivada

A diretora da torcida "Narraça", Déborah Melo, 24 anos, trabalha como voluntária, ou como resume, por paixão, para ter o privilégio de apoiar e acompanhar o time amazonense. “Em primeiro lugar eu vim para torcer e acompanhar o meu time, que me representa, que é o Nacional, pelo Amazonas. Em segundo lugar, a inauguração da nossa casa, que é o antigo Vivaldão, que é a nossa segunda casa mesmo. Agora, mais bonita e vai acolher mais pessoas”.

Acompanhada por 20 crianças da “Narraça Kids”, que entraram em campo com os jogadores, ela destaca a importância de incentivar a torcida pelos times locais desde cedo. “A gente trouxe as crianças para elas entrarem com os jogadores e com a faixa da torcida, para estimular desde pequeno a acompanhar e a apoiar os nossos times, não os times do sul, porque a gente tem futebol no nosso estado”, defende.

Melhor para os paraenses

Foto: Gabriel Fialho/Portal da Copa#

Com a bola rolando, o Nacional foi para cima do adversário, empurrado pela torcida, mas mostrava imprecisão e nervosismo na hora de concluir as jogadas. Em uma delas, Fabiano Tanque, livre para chutar, parou no goleiro após bola em profundidade. Foi quando a animação da torcida local crescia que o Remo abriu o placar em cobrança de escanteio. O zagueiro Max subiu mais que os adversários e anotou de cabeça o primeiro gol da nova arena.

Na etapa complementar, o Nacional voltou disposto a buscar o empate. Aos 12 minutos, Chapinha acertou o travessão do adversário. Mas, como no primeiro tempo, foi o Remo que marcou, novamente com Max aproveitando cruzamento. A torcida paraense fazia a festa na Arena da Amazônia e ensaiava gritos de olé quando o time da casa reagiu, primeiro com Jefferson Recife, aos 29 minutos, e depois com Naldo, que acertou um belo chute de fora da área, aos 41 minutos.

Empurrado pela torcida, que voltou a acreditar na classificação, o Nacional se lançou ao ataque, mas sem sucesso. O resultado de 2 x 2 classificou o Remo, por ter feito mais gols fora de casa, já que havia empatado com o Nacional, em Belém, por 1 x 1. A equipe paraense avançou para a semifinal da primeira edição da Copa Verde, que reúne times do Norte, Centro-Oeste e Espírito Santo.

» Segurança, saúde e voluntários: governo do Amazonas avalia itens do jogo inaugural

Gabriel Fialho - Portal da Copa

Notícias Relacionadas

Os legados esportivos, econômicos, de infraestrutura, de imagem e promoção do Brasil, dentre outros, serão abordados nos dois dias de palestras
+
Produções retratam a festa dos torcedores e a organização do megaevento esportivo
+
Estruturas como o Centro Integrado de Comando e Controle Móvel, usado no Mundial, foram empregadas na competição de vela que está sendo realizada no Rio de Janeiro
+
No confronto entre Brasil x Colômbia, pelas quartas de final, a lotação hoteleira de Fortaleza alcançou 97%
+