Tesouro brasileiro: museus em Cuiabá

22/07/2013 - 15:16
Confira algumas das atrações da capital do Mato Grosso, que receberá quatro jogos do Mundial de 2014

Grande parte da história do Brasil é preservada e está exposta para o público em todo o País. As 12 sedes da Copa do Mundo 2014 – Brasília (DF), Belo Horizonte (MG), Rio de Janeiro (RJ), Recife (PE), Fortaleza (CE), Salvador (BA), Manaus (AM), São Paulo (SP), Curitiba (PR), Porto Alegre (RS), Natal (RN) e Cuiabá (MT) – concentram em torno de 23% dos museus brasileiros (737 de 3.220). Se somados aos museus presentes no raio de 200km da capital, o número sobe para 32% (1.024 a mais). No Brasil, o órgão responsável por desenvolver e aplicar a Política Nacional de Museus, bem como pela melhoria dos serviços do setor, é o Instituto Brasileiro de Museus (Ibram) – autarquia vinculada ao Ministério da Cultura. Confira alguns da capital mato-grossense, Cuiabá, que receberá quatro jogos da Copa do Mundo da FIFA 2014, todos válidos pela primeira fase do torneio.

Museu de Pré-História – Casa Dom Aquino

A Casa Dom Aquino, patrimônio histórico construído em 1842, abriga o Museu de Pré-História que leva o mesmo nome, criado em 2006 através de parceria do Instituto de Ecossistemas e Populações Tradicionais (ECOSS) e a Secretaria de Estado de Cultura do estado de Mato Grosso. A missão do museu é transmitir conhecimentos arqueológicos, paleontológicos e biológicos da região Centro-Oeste do Brasil. A exposição do museu concentra-se nessas áreas e as visitas se estendem a outros espaços da Casa: o orquidário, o viveiro de plantas nativas e o rio Cuiabá. O viveiro volta-se para a educação ambiental, reunindo espécies do Cerrado. Além disso, o museu tem em sua programação eventos como o Dia Mundial do Meio Ambiente, quando promove cursos como o de manejos de orquídeas; oficinas de bordados da Chapada dos Guimarães; e apresentações de Tocadoras de Mocho, instrumento musical típico do estado. (Av. Beira Rio s/n, São Mateus - 65 - 3613-9290 / 3634-4858; segunda a sexta, 7h30-11h30 e 13h30-17h30; sábado, 8h-12h)

Foto: Embratur#

Museu Rondon

O Museu Rondon foi criado em 1972 e inaugurado em 1973, em resposta às expectativas da Universidade Federal do Mato Grosso, que objetivava fortalecer a identidade regional. O museu nasceu então comprometido com a divulgação da cultura material dos povos indígenas e com a produção de pesquisas etnológicas. Para formar o acervo de indumentárias, armas e artefatos de rituais sagrados que ultrapassam mais de mil peças, o museu contou com a colaboração de várias etnias. Na área do prédio do museu, há um parque aquático onde foi construída uma casa de arquitetura ovalada xinguana. O museu fica localizado no campus da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT). Do acervo, destaca-se a coleção Bakairi, composta por máscaras ritualísticas. O nome do museu presta homenagem ao Marechal Cândido Mariano da Silva Rondon, considerado defensor dos direitos indígenas. (Avenida Fernando Corrêa da Costa – UFMT, Coxipó - 65 - 3615-8479 / 3615-8489 / 3615-8000; segunda a sexta, 8h-18h)

Memorial das Águas

O Memorial das Águas Engenheiro José Luiz de Borges Garcia conta a história do abastecimento de água de Cuiabá. Foi inaugurado em 2008, por meio da Companhia de Saneamento da Capital (SANECAP). Construído em volta de duas estações de tratamento da cidade, tem no seu acervo ferramentas, canalizações, hidrômetros, instrumentos, fotografias e documentos, além de pinturas, esculturas e tapeçarias. Um dos objetivos do museu é educar de forma participativa para o uso responsável da água através da reconstrução de época; já que as duas estações que circundam o memorial datam das décadas de 1940 e 1970 e foram edificadas em padrão arquitetônico colonial. O memorial também conta com laboratórios de Bacteriologia e Físico-Químico e auditório. (Avenidas Presidente Marques, s/n, Quilombo, Centro - 65 - 3615-8479 / 3615-8489; www.sanecap.com.br)

Museu da Imagem e do Som de Cuiabá

O Museu da Imagem e do Som de Cuiabá "Lázaro Papazian Chau", que fica no Sobrado Alferes Joaquim Moura, foi inaugurado em 2006 e está localizado no Centro Histórico. No acervo, destacam-se as cerca de 8 mil fotografias de Eurípedes Adreato e as mais de 25 mil imagens do fotógrafo e repórter cinematográfico Lázaro Papazian. Ambos registram a história política, cultural e social tanto de Mato Grosso quanto de Cuiabá. Nessas fotos e imagens, estão registradas visitas de Presidentes, os monumentos da Cuiabá antiga - como a catedral já demolida -, as ruas tortas do Centro Histórico, o rio que corta a cidade, e o cotidiano. Além disso, compõem o acervo vinis, fitas de vídeo e de áudio que recontam a trajetória da cidade também contemporaneamente. Visa o desenvolvimento do audiovisual, valendo-se de concursos fotográficos, cursos de fotografias, oficinas de temas diversificados e de suas exposições. (Rua Voluntários da Pátria, 75, Centro Norte – 65 - 3025-4109 / 3617-1288; segunda a sexta, 8h-18h)

Museu do Morro da Caixa D’Água Velha

O Museu Morro da Caixa D'água Velha fica no pequeno aqueduto em estilo romano e nas suas galerias arqueadas que abasteciam cerca de 16 mil residências cuiabanas. O aqueduto e as galerias foram construídos em 1882, mas o museu foi inaugurado somente em 2007, tornando-se destacada atração turística no Centro de Cuiabá. O aqueduto desempenhou sua função originária até meados do século XX, quando se tornou um museu, pensado para revitalizar o morro e resgatar parte da história da cidade, servindo de opção educativa, cultural e turística. O museu exibe exposições temporárias de pintura, escultura, fotografia, cinema e artesanato. Atualmente exibe, além do conjunto de dutos de ferro que narram a trajetória da antiga caixa d'água, peças de arte sacra, sendo elas esculturas de santos católicos. O projeto arquitetônico é de Jaime Lerner, desenvolvido por técnicos do IPDU. (Rua Comandante Costa, s/n, esquina com a Rua Nossa Senhora de Santana, n.1-105, Centro Sul – 65 - 3617-1225 / 9981-7764; segunda a segunda, 8h-17h; www.cuiaba.mt.gov.br)

Museu de Arte Sacra

Aberto na década de 1980, o Museu de Arte Sacra está instalado no Seminário da Conceição, na “Igreja Bom Despacho”, que é considerado o berço da educação cuiabana, tendo sido o primeiro estabelecimento de ensino secundário de Mato Grosso. Sua missão é registrar, preservar e difundir a história religiosa do Estado pelos bens culturais provenientes de suas antigas igrejas. O acervo é composto de esculturas, estátuas, pratarias, indumentárias religiosas, paramentos de cerimônias e uma coleção de bíblias que datam desde a Idade Média. Muitas peças são remanescentes da antiga Igreja Matriz, demolida em 1968, e da Igreja de Nossa Senhora do Rosário e São Benedito. (Rua Clóvis Hugney, Praça do Seminário, 239, Dom Aquino - 65 - 3028-6285 / 3028-6286; segunda a sexta, 13h-19h; sábado 9h-17h; www.museudeartesacramt.com.br)

Museu Histórico de Mato Grosso

O Museu Histórico de Mato Grosso foi fundado em 1978 para registrar e preservar o patrimônio histórico e cultural do Estado. O edifício que abriga o Museu, construído em 1896, é tombado e já sediou diferentes órgãos públicos, como a Thesouraria Provincial do Estado, o Departamento de Educação Estadual e a Secretaria de Turismo. O acervo é constituído de fotografias, vestuários, peças antigas de mobiliário e documentos sobre a Guerra do Paraguai e a viagem do marechal Rondon. Entre as curiosidades do acervo estão a primeira Constituição de Mato Grosso, datada de 1881, e a capa do jornal local “A Gazeta” exibindo a manchete sobre a Proclamação da República. (Praça da República, 131, Centro - 65 - 3335-1440; segunda a sexta, 13h-19h; www.cultura.mt.gov.br)

Fonte: IBRAM/MinC

Notícias Relacionadas

Capital do Mato Grosso contou com a atuação de 357 voluntários, em locais como aeroporto, rodoviária, Arena Cultural, entorno da Arena Pantanal, FIFA Fan Fest e Centro Aberto de Mídia
+
Espaços oferecem entretenimento, local para descanso, informações turísticas, internet wifi e outras comodidades para os viajantes. No Santos Dumont, 26,8 mil pessoas aproveitaram a estrutura oferecida
+
Sede de quatro jogos, capital de Mato Grosso teve impactos positivos no turismo, em serviços, em melhorias no aeroporto e na visibilidade internacional
+
Pico de participação do público foi registrado no dia da partida entre Brasil 0 x 0 México, em 17 de junho, quando 438 mil torcedores compareceram aos locais de transmissão dos jogos
+