Surpresas da primeira fase, Costa Rica e Grécia se enfrentam na Arena Pernambuco

29/06/2014 - 02:03
Recomendação aos torcedores é para o uso do transporte público para chegar ao estádio

A Grécia nunca havia se classificado para as oitavas de final em um Mundial antes. A Costa Rica precisou enfrentar três campeões mundiais e mandar dois deles para casa para avançar na competição, classificada em primeiro lugar do chamado Grupo da Morte. Após terem feito história, as duas seleções se enfrentam às 17h deste domingo (29.06), na Arena Pernambuco. A partida é a última da Copa do Mundo FIFA Brasil 2014 a ser realizada no Recife, que recebeu cinco jogos.

O time costarriquenho tem boas lembranças do estádio pernambucano. Neste mesmo palco, a equipe venceu a Itália por 1 x 0, no dia 20 de junho. Além desse retrospecto de sorte, os latinos contam com alguns jogadores em quem confiar. O principal deles é o atacante Joel Campbell. Ele joga há cerca de um ano no Olympiakos (Grécia) e conhece os adversários dos quais a maioria pouco tem informações.

Outro lado positivo da equipe é a defesa sólida, que só levou um gol até então (e de pênalti), e a confiança do goleiro Keylor Navas. O esquema 3-5-2 tem sido adotado desde a primeira partida e a intimidade dos jogadores com a opção tática do treinador é apontada como vantagem dos “Ticos”, que já conquistaram a torcida pernambucana.

Os gregos, que participam da Copa do Mundo apenas pela terceira vez, não fizeram uma primeira fase tão brilhante quanto a dos latinos, mas conseguiram a classificação com um gol de pênalti diante da Costa do Marfim e agora querem fazer valer a conquista histórica. No lado europeu do campo, o goleiro Karnezis, que sofreu uma lesão nas costas na partida da classificação, desfalca a equipe.

» Vai assistir aos jogos da Copa no estádio? Saiba quais objetos você não pode levar às arenas

» Costa Rica treina no CT do Náutico para preservar gramado da Arena Pernambuco

Getty Images#

Torcida

Depois de ter feito a festa no Recife, onde enfrentou a Itália, a equipe costarriquenha comemora o fato de ter conquistado a torcida local. Além disso, tanto o treinador Jorge Luis Pinto quanto os jogadores acreditam que o Brasil é uma terra que lhes traz sorte. Mas a ideia é não abusar dela e, por isso, a equipe já está de olho nas especificidades do adversário. “É uma equipe que faz linha de quatro no meio de campo. Samaras é um homem muito completo no contra-ataque e nós temos que saber controlá-lo. Temos que estar preparados para contra-atacar e fazer esse golpe do contra-ataque”, avaliou o técnico.

Descartando o favoritismo, o Luis Pinto também chamou atenção para a necessidade de controlar o aspecto psicológico e de saber lidar com a expectativa. “A pressão não foi criada por nós mesmos e ela não muda nosso posicionamento. Queremos estar estáveis e tranquilos. A Copa do Mundo não é fácil”, pontuou o treinador. Para conseguir afastar a tensão, garante o treinador, é só pensar na alegria do povo costarriquenho com as conquistas que a equipe vem apresentando.

Contra-ataques

Para o treinador da Grécia, o português Fernando Santos, não há muito o que mexer nos jogadores escalados. A receita para vencer a Costa Rica será uma atenção redobrada ao contra-ataque do adversário. “Acredito que eles vão propor jogo para alcançar o resultado e nós temos que fazer o mesmo. Não podemos só esperar, porque dificilmente isso termina bem. Temos que ter atenção quando atacarmos, pois eles têm transições muito fortes”, afirmou o comandante que classificou a equipe adversária como organizada, concentrada e competitiva.

Já o lateral-direito Torosidis, ao comentar o momento histórico da classificação da Grécia para as oitavas, resgatou a lembrança de quando a equipe venceu a Eurocopa de 2004, sem ter iniciado a competição como favorita. “Eu já era profissional naquela época e é uma lembrança linda, mas sou parte dessa seleção de hoje e sou muito feliz de estar aqui. Espero que possamos imitar o resultado da seleção da época. Se perguntam quem nós somos? Vamos ver no campo”, desafiou o atleta.

Mobilidade

Sem expectativa de chuvas fortes neste domingo na capital pernambucana, o acesso à Arena Pernambuco tem tudo para ser dos mais tranquilos. O torcedor que optar pelo transporte público conta com três opções de modais. O Bus Rapid Transit (BRT) opera com 37 veículos no corredor Leste/Oeste e 3 no Norte/Sul. O sistema é o único que leva os passageiros direto ao estádio, sem trasbordo, partindo das estações da Avenida Guararapes e da Praça do Derby. Há também a opção do metrô e dos estacionamentos periféricos (RioMar, Cordeiro e Parqtel), esta última, com muitas vagas livres. Nos dois casos, entretanto, os torcedores precisam pegar um ônibus circular para chegar ao estádio.

Ficha técnica

Costa Rica
Navas; Umaña, Duarte e Giancarlo González; Gamboa, Borges, Tejeda, Crístian Bolaños, Junior Díaz e Bryan Ruiz; Joel Campbell 
Técnico: Jorge Luís Pinto

Grécia
Glykos (Karnezis), Holebas, Manolas, Sokratis e Torosidis; Samaris, Maniatis e Katsouranis; Christodoulopoulos, Salpingidis e Samaras 
Técnico: Fernando Santos

Local: Arena Pernambuco, em São Lourenço da Mata (PE)
Horário: 17h
Árbitro: Benjamin Williams (AUS) 

Assistentes: Matthew Cream (AUS) e Hakan Anaz (AUS)


Laura Cortizo, do Portal da Copa no Recife

Notícias Relacionadas

Tarifa é de R$ 2,15 e os usuários que desejarem experimentar o novo modal poderão utilizar o Vale Eletrônico Metropolitano (VEM)
+
Espaços oferecem entretenimento, local para descanso, informações turísticas, internet wifi e outras comodidades para os viajantes. No Santos Dumont, 26,8 mil pessoas aproveitaram a estrutura oferecida
+
Estádios da Copa 2014 são pioneiros na busca de certificação ambiental internacional
+
Antes do sufoco da classificação diante da Costa Rica, na última partida da Fonte Nova no Mundial, torcedores promoveram a segunda Orange Square
+