Selo de sustentabilidade Bioplanet será lançado no Rio de Janeiro

22/02/2013 - 10:25
Ideia do projeto é produzir 25 milhões de litros de biodiesel nas cidades-sede a partir de óleo de cozinha usado

O projeto Bioplanet, que integra o Plano de Promoção do Brasil para a Copa, prevê a produção de 25 milhões de litros de biodiesel até o Mundial de 2014. O lançamento nacional será na segunda-feira (25.02), às 10h, no Polo Industrial de Sustentabilidade do Rio de Janeiro. Foram convidados Luís Fernandes, Secretario Executivo do Ministério do Esporte, o ministro da Pesca, Marcelo Crivella, e o Ministro do Trabalho, Brizola Neto.
 
O Bioplanet prevê a constituição de 40 Arranjos Produtivos Locais (APL) nas cidades sedes e centros de treinamento da Copa para a produção, promoção e uso de biodiesel a partir de óleos e gorduras residuais (OGR) – óleo de cozinha usado.  
 
"O Bioplanet pretende mobilizar três milhões de estudantes nacionalmente, prevê a inclusão produtiva de 10 mil catadores de materiais recicláveis e é uma marca de sustentabilidade para o país da Copa do Mundo", explica Vinícius Puhl, um dos coordenadores do projeto.
 
Márcia Werle, presidente do Conselho da Biotechnos, organização proponente do Bioplanet, destaca o legado ao país com a execução do projeto. "O Bioplanet é um conceito economicamente viável, ambientalmente correto e socialmente justo. Um dos principais elementos de seu desenvolvimento é a educação ambiental e a capacidade de mobilizar o Brasil, sob a plataforma da Copa do Mundo, deixando o legado ambiental”, contou a idealizadora do projeto.
 
Uma das intenções dos participantes é que em 2014 o biocombustível seja usado nos carros que transportarão as delegações durante a Copa. O projeto está chancelado pelo governo federal e integra a lista do Plano de Promoção do Brasil. Ao todo, são 96 projetos selecionados. O Rio de Janeiro será a primeira cidade-sede a executar o projeto. Até abril de 2013 haverá o lançamento nas demais sedes da Copa das Confederações.

Fotos: Divulgação#
 
Para Edson Freitas, Presidente da Abrepet – Associação Brasileira da Cadeia de Sustentabilidade Ambiental do Pet, uma das organizações parceiras na reciclagem das garrafas PET do projeto, a educação ambiental é fundamental.
 
“Eu era um catador, comecei a trabalhar com reciclagem há 15 anos e a Eccovida - organização não governamental parceira na execução do Bioplanet no Rio de Janeiro - veio me ajudar no trabalho de conscientização ambiental e tudo cresceu. Hoje, retiramos cerca de 50 milhões de PET das comunidades. Eu adotei a Eccovida e quero integrar ainda mais esse trabalho”, assume Edson Freitas.

Benefício ambiental
“Se você fizer a seguinte relação: 1 litro de óleo contamina até 25 mil litros de água e se você recolhe mil litros, olha o beneficio ambiental que se gera só na questão da preservação da água. Agora na questão do Biodiesel, se você misturar 20% do biodiesel ao óleo diesel do veículo, você terá uma redução de 60% na emissão dos gases poluentes. Em termos de ganho ambiental, esse projeto tem números grandiosos”, afirma Edson.  
 
Pontos de coleta
Existem os eccopontos. Neles são recolhidos materiais recicláveis, entre os quais os óleos e gorduras residuais. As comunidades ou cooperativas poderão vender a idéia e ter um ganho. No Rio de Janeiro, o projeto prevê a mobilização de 350 mil estudantes e muitas escolas já têm pontos de coleta.  

Fonte: Bioplanet

Notícias Relacionadas

Estádio de Natal é o nono dos utilizados durante a Copa a obter o selo
+
Arena é a sétima construída para a Copa do Mundo a ter selo que atesta adoção de medidas sustentáveis na edificação. Capital gaúcha passa a ter dois palcos com registro do Green Building Council
+
Cooperativas de catadores atuaram nos 12 estádios do Mundial para a recuperação e separação dos resíduos deixados pelos torcedores durante os jogos
+
Na arena Castelão, foram 49,4 toneladas, enquanto na Fan Fest foram outras 41,4 toneladas. Atividade envolveu 350 catadores de 17 instituições
+