Ronaldo: "Adoraria ter quilos a menos para poder jogar esta Copa"

21/02/2014 - 16:28
Membro do Comitê Organizador Local, o ex-jogador falou sobre a organização da Copa, o desejo de estar em campo no Mundial do Brasil e as chances de Adriano na Seleção Brasileira

No palco da coletiva de imprensa desta sexta-feira (21.02) em Florianópolis, estavam as autoridades-chave da organização da Copa de 2014. Mas, desta vez, os questionamentos sobre ingressos, estádios e obras para os representantes da FIFA, do Comitê Organizador Local (COL) e do governo federal dividiram espaço com uma série de perguntas sobre a experiência, as impressões e os objetivos de Ronaldo Nazário. O Fenômemo é membro do COL e normalmente comenta a organização  do evento, mas hoje também foi dia de falar como ex-jogador e como amante do futebol.

Um assunto abordado pelo recordista de gols em Copas – 15, em três edições – foram os centroavantes que ele acredita que possam representar o Brasil no Mundial em casa. “Acho que são os mesmos: Fred, Jô, Leandro Damião e talvez possa aparecer algum outro. Temos que esperar até o último momento”, disse.

Ronaldo também comentou as chances de Adriano, atual jogador do Atlético-PR, na Seleção. “Antes de falar do Adriano ser convocado ou não, ele tem que dar uma demonstração pra ele mesmo se ele quer voltar. Todo mundo torce por ele, mas só ele pode dar essa resposta a todos”, explicou.

Otimismo e quilos a mais

Ronaldo mostrou otimismo quanto à Copa nos dois aspectos, dentro e fora da campo. “Sou muito otimista em relação à Seleção Brasileira. A última competição oficial mostrou que ela é favorita, como sempre foi. É bom ver nos amistosos como a equipe está reagindo. Mas a Copa é diferente. Com tempo para treinar, o Felipão vai arrumar ainda mais a equipe”, disse.

Ele também se considera embaixador do projeto Copa no Brasil. “A gente vê que a grande maioria é a favor da Copa, mas temos que mostrar para a minoria que não quer que a Copa é um bom negócio para o Brasil”, reforçou.

Se pudesse escolher, Ronaldo estaria participando do Mundial de outra forma. “Adoraria ter uns anos a menos e muitos quilos a menos para poder jogar essa Copa no meu país. Seria fantástico. O tempo não ajudou, os quilos também não, mas estou tendo uma ótima oportunidade de participar e elevar ainda mais a moral do meu país, levando a bandeira do meu país por onde quer que eu vá. Eu acredito no projeto Copa do Mundo como oportunidade de negócios e legado para o meu país”, acrescentou.

Ele disse que, quando está fora do país, escuta perguntas comuns por aqui, sobre atrasos em obras, manifestações e segurança. Algo que, para ele, é natural. “É natural tudo isso, a gente viu agora toda a incerteza em Sochi, na Rússia [sede dos Jogos Olímpicos de Inverno] e o evento está sendo um grande sucesso. Espero que isso aconteça aqui também”, finalizou.

» Visitas, definição de Curitiba, estruturas complementares, Seminário de Seleções: autoridades comentam a semana

Carol Delmazo – Portal da Copa

Notícias Relacionadas

Mundial de futebol quebrou recordes históricos e se tornou o evento mais comentado do ano nas redes sociais em todo o mundo
+
Secretário executivo do Ministério do Esporte afirma que o aprendizado adquirido com o Mundial dará melhores condições para o Brasil enfrentar os desafios da preparação do maior evento esportivo do planeta
+
Evento “Copa 2014: legados para o Brasil” mostra resultados econômicos, culturais e de infraestrutura
+