Profissionais de saúde iniciam capacitação para atuar nas 12 cidades-sede da Copa do Mundo

28/08/2013 - 15:50
Curso com aulas presenciais e à distância começou nesta quarta-feira (28.07) e vai terminar em junho de 2014. Objetivo é treinar médicos, enfermeiros e especialistas para atuar em situações emergenciais

Médicos, enfermeiros e outros profissionais da saúde começaram nesta quarta-feira (28.07) um treinamento para atender à demanda de pacientes nas 12 cidades que sediarão os jogos da Copa do Mundo de 2014: Rio de Janeiro, Brasília, São Paulo, Belo Horizonte, Curitiba, Porto Alegre, Cuiabá, Natal, Manaus, Fortaleza, Salvador e Recife.

Os profissionais serão treinados em vigilância sanitária e gestão de emergência em saúde pública. O curso terá aulas presenciais e a distância, com término em junho de 2014. As aulas serão teletransmitidas duas vezes por mês pelo Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia Jamil Haddad.

A especialização em gestão de saúde pública é organizada pelo Ministério da Saúde e o Hospital Sírio Libanês, dentro do Programa de Apoio ao Desenvolvimento Institucional do Sistema Único de Saúde (PROADI-SUS), que visa a possibilitar que as entidades de saúde de referência assistencial - neste caso o Hospital Sírio Libanês - participem do desenvolvimento do SUS transferindo tecnologia, conhecimento, experiência em gestão e oferecendo práticas úteis para serem adaptadas pela rede pública.

Cada turma será composta de 40 alunos, com exceção de Brasília, que contará com duas turmas, uma especialmente destinada aos servidores do Ministério da Saúde. As aulas, destinadas a médicos, enfermeiros e técnicos especialistas, serão compostas por módulos como os destinados a múltiplas vítimas, surto epidemiológico e desastres naturais.

O objetivo é proporcionar aos profissionais do Sistema Único de Saúde (SUS) os conhecimentos e estratégias necessárias para atuação na gestão, na assistência e na vigilância, em resposta às situações de desastres, de epidemia e de desassistência, quando os recursos locais e/ou regionais estiverem superados.

A ideia é que os profissionais atuem em articulação com Estados, Municípios e Distrito Federal, em ações conjuntas no apoio à gestão e assistência em missões da Força Nacional do SUS para contribuir concretamente para que o Brasil tenha uma resposta mais oportuna e eficaz em situações emergenciais, além de desenvolver ações para prevenção destes agravos.

Metodologia
Essa é a segunda fase do projeto. A primeira etapa foi feita entre março e agosto deste ano e formou professores, que agora lecionam aos alunos selecionados. Uma das professoras do curso, Cristiana Silveira, disse que o curso será baseado em possíveis problemas que podem ocorrer durante a Copa do Mundo. “A gente vai utilizar uma metodologia ativa de ensino, que requer mais dos alunos do que dos instrutores. E vai ser sempre baseada em situações-problema”, explicou.

Fontes: Ministério da Saúde e Agência Brasil

Notícias Relacionadas

Diretora da Unaids no Brasil se encontrou nesta terça com o ministro do Esporte, que assinou a bola que simboliza a iniciativa. Um exemplar com as rubricas da presidenta Dilma e de outros chefes de Estado será levado para a Assembleia Geral da ONU
+
Dados divulgados pelo Ministério da Saúde mostram que 97,3% dos casos ocorridos nas arenas foram resolvidos no próprio local
+
Software foi criado nos Estados Unidos e adquirido pelo Ministério da Saúde para ajudar a organizar informações para atendimentos de todo o tipo
+
Secretário de saúde informa que casos começam a diminuir e prevê situação tranquila durante a Copa
+