Produtores do Brasil Orgânico e Sustentável expõem no Rio de Janeiro durante a Copa

19/06/2014 - 10:50
Estande foi montado em Copacabana. Cachaça mineira faz sucesso entre torcedores de vários países que se aglomeram no local

O quiosque da Campanha Brasil Orgânico e Sustentável representa uma Copa do Mundo particular para algumas pessoas. Valdoir da Luz, 60 anos, tem a oportunidade de expor e comercializar a sua produção de mel de abelhas na praia de Copacabana, no Rio de Janeiro. Ele está há seis anos nesta atividade, que teve início em uma área próxima ao lago formado pela hidrelétrica de Itaipu, no Paraná. Atualmente, a produção chega a 50 kg, em cada uma das 230 colmeias, e integra a Coofamel, uma cooperativa com 145 produtores de todos os 29 municípios da região.

A campanha é coordenada pelo Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS) e integra a agenda de sustentabilidade do governo federal para a Copa do Mundo. O objetivo é incentivar a comercialização e o consumo de produtos orgânicos e da agricultura familiar antes, durante e após o Mundial. Além disso, chamar a atenção de consumidores e empresários para a variedade de sabores e a qualidade da produção.

Fotos: Giuliander Carpes/ Portal da Copa#

“Para nós é uma satisfação muito grande estar aqui, praticamente no centro da Copa do Mundo, onde a maior festa está acontecendo”, diz Luz, ao lado de uma estante com todos os produtos de sua cooperativa. Tem farinha de trigo, geleias, doces, conservas e até artesanato de índios que integram o projeto. “É muito importante para nós o governo dar prioridade à agricultura familiar. Ralamos muito para chegar até aqui”, completa.

Há muito mais da agricultura familiar a ser mostrado. Produtos orgânicos, sustentáveis e artesanais como café, pães, linguiça, derivados do leite de cabra e até cachaça. Sérgio Martins Cardoso vem de uma região bastante conhecida por seus alambiques: Salinas (MG). Ao lado de seus três irmãos e outras 112 famílias, ele produz a Terra de Ouro, destilada em barris de alumínio ou bálsamo e vendida em embalagens de vidro, porcelana e vime.

“A gente trabalha da melhor forma artesanal possível, para entregar a qualidade que o consumidor merece”, diz Cardoso. A Terra de Ouro é uma das 72 cachaças produzidas em Salinas. Minas Gerais é um estado reconhecido pelos apreciadores da bebida, que tem cinco mil rótulos no país.

Uma preciosidade que tem caído no gosto dos turistas estrangeiros. “Eles têm elogiado muito. Alguns já disseram que cachaça é melhor que uísque. Eu concordo”, brinca o produtor. “Estamos tendo uma oportunidade única de mostrar nosso produto no lugar da Copa, onde todo mundo quer estar".

Além do Rio de Janeiro – na praça do Lido, na Avenida Atlântica (altura da Rua Ronald de Carvalho), ao lado da FIFA Fan Fest - há quiosques em outras nove cidades-sede da Copa do Mundo: Brasília, Curitiba, Fortaleza, Manaus, Natal, Porto Alegre, Recife, Salvador e São Paulo. Eles ficam abertos até o dia 23 de junho das 11h às 18h. Há atendentes com fluência em inglês e espanhol para auxiliar os turistas estrangeiros a conhecer os produtos.

Giuliander Carpes, do Portal da Copa no Rio de Janeiro   

Notícias Relacionadas

Estádio de Natal é o nono dos utilizados durante a Copa a obter o selo
+
Secretário executivo do Ministério do Esporte afirma que o aprendizado adquirido com o Mundial dará melhores condições para o Brasil enfrentar os desafios da preparação do maior evento esportivo do planeta
+
Os legados esportivos, econômicos, de infraestrutura, de imagem e promoção do Brasil, dentre outros, serão abordados nos dois dias de palestras
+