Nos pênaltis, Costa Rica supera Grécia e vai enfrentar a Holanda nas quartas de final

29/06/2014 - 20:12
Partida na Arena Pernambuco, que terminou empatada em 1 x 1 no tempo regulamentar, teve gol grego nos acréscimos, expulsão de costarriquenho e emoção até o final

A Costa Rica sofreu bastante na Arena Pernambuco neste domingo (29.06), mas teve um final feliz ao eliminar a Grécia nos pênaltis, em jogo válido pelas oitavas de final da Copa do Mundo. Diante de 41.242 pessoas no estádio em Recife, os costarriquenhos saíram na frente no placar, com Bryan Ruiz, mas viram os gregos empatarem aos 46 minutos do segundo tempo, com Sokratis, e levar a partida para a prorrogação.

Mesmo com um jogador a menos, já que o zagueiro Óscar Duarte foi expulso aos 21 minutos do segundo tempo do tempo regulamentar, a Costa Rica conseguiu se segurar e levar a partida para os pênaltis. Nas cobranças, os costarriquenhos converteram todas e viram o goleiro Keylor Navas defender a batida de Gekas. Depois, Umaña marcou, fechou a disputa em 5 x 3 e garantiu a festa nas arquibancadas da Arena Pernambuco.

Sensação da Copa do Mundo até agora, já que eliminou campeões mundiais como Itália e Inglaterra, a Costa Rica enfrenta agora a Holanda. O confronto das quartas de final está marcado para 5 de julho, na Arena Fonte Nova, em Salvador.

Getty Images#Goleiro Keylor Navas, que defendeu um pênalti, comemora a classificação com o zagueiro Umaña, que converteu a cobrança final

Segunda festa em Pernambuco

O técnico Jorge Luís Pinto tinha mesmo razão: Recife deu sorte aos costarriquenhos. Em um mesmo estádio os “ticos” derrubaram a tricampeã mundial Itália e conseguiram o feito inédito de avançar para as quartas de final da Copa do Mundo. “É o momento mais importante da história desportiva do meu país. Chegamos aqui como a ‘Cinderela’, a equipe que todos iam vencer, e agora estamos entre os oito melhores. Estou muito emocionado”, disse o costarriquenho Gerardo Delgado após a partida.

O apoio da torcida recifense garantiu que o coro de apoio aos latinos fosse forte, especialmente durante a prorrogação e a cobrança de pênaltis. “Nos sentimos apoiados pelos brasileiros. Foi muito bonito escutar este estádio todo cantando ‘sí, se puede’”, completou Delgado. Os gregos, por outro lado, não contavam com o apoio dos brasileiros presentes. Estiveram representados por um menor número de torcedores, que também não pararam de apoiar a equipe.

Costa Rica x Grécia - Arena Pernambuco

Costa Rica x Grécia - Arena Pernambuco

Objetivo era os penais

Após passar metade do segundo tempo e os trinta minutos da prorrogação com um jogador a menos, a equipe comandada por Jorge Luís Pinto pedia pela decisão por pênaltis. “Queríamos levar para as penalidades, pois tínhamos muita fé nos nossos cobradores e confiança no nosso goleiro. Navas foi protagonista completo e, na minha opinião, um dos melhores goleiros do Mundial”, elogiou o técnico. Para ele, o mérito dos jogadores da equipe foi, além da entrega total dentro de campo, terem conseguido propor o jogo e não ficar na retranca.

Grande herói do dia, o goleiro Keylor Navas foi eleito o craque da partida e classificou o feito como um sonho que se tornou realidade. “Tenho trabalhado com muita humildade para fazer as coisas pela minha seleção e para o clube em que estou. Os troféus me motivam a continuar trabalhando e nunca baixar os braços”, declarou o jogador.

Na Grécia, ansiedade foi a vilã

Para o técnico Fernando Santos, da Grécia, não é hora de falar em sorte ou azar. É um momento de tristeza para um grupo que, apesar de ter conquistado a histórica classificação para as oitavas, gostaria de ter feito mais. “No fim do jogo quisemos resolver tudo individualmente. Faltou ter cabeça na prorrogação. Às vezes a ansiedade e o coração falam mais alto que a cabeça”, pontuou.

Em seu último dia como treinador da Grécia, Fernando acredita que a equipe reagiu bem diante do adversário. “A Costa Rica entrou melhor no jogo, foi mais rápida e objetiva. Depois dos 15 minutos, o jogo ficou mais equilibrado, obrigamos o adversário a apostar no contra-ataque”, avaliou.

»Tarde de despedida na Arena Pernambuco tem poucos estrangeiros

» Recife Antigo ganha festival gastronômico dedicado à Copa do Mundo

O jogo

A Costa Rica entrou em campo com Navas; Gamboa, Duarte, González, Umana e Díaz; Borges, Tejeda, Bryan Ruiz e Bolaños; Campbell. A escalação inicial da Grécia foi Karnezis; Torosidis, Manolas, Sokratis e Cholevas; Karagounis, Maniatis, Samaris, Salpingidis e Lazaros; Samaras.

Com ambas as equipes adotando uma postura cautelosa, a primeira etapa não teve muitas chances de gol. O jogo começou bastante estudado, com os jogadores de ambas as equipes arriscando no máximo alguns chutes de longa distância, como em uma finalização do costarriquenho Bolaños, aos 7 minutos.

A torcida brasileira bem que tentou apoiar, chegando a gritar “Olé!” já no início do jogo, enquanto os costarriquenhos trocavam passes. O atacante Joel Campbell, que brilhou durante a primeira fase pela seleção da América Central, não teve muitos espaços durante o primeiro tempo. Sensação da etapa de grupos do Mundial, a Costa Rica mostrou um jogo morno e de pouca criatividade nos primeiros 45 minutos da partida.

A Grécia também não encheu os olhos dos torcedores, mas foi quem criou as melhores chances da primeira etapa. Aos 37 minutos, Salpingidis recebeu cruzamente de Cholevas e bateu firme, mas o goleiro Keylor Navas conseguiu fazer uma grande defesa com a perna e desviou a bola para fora. Foi a melhor chance da primeira etapa. Quando o juiz apitou o fim do primeiro tempo, a torcida presente na Arena Pernambuco vaiou o futebol apresentado pelas equipes.

Segundo tempo

Na segunda etapa, o jogo seguia o mesmo ritmo morno do primeiro tempo até que Bolanõs recebeu uma bola pela direita aos 6 minutos, cortou para dentro e rolou para Ruiz. O atacante bateu de esquerda e colocou a bola no canto esquerdo do gol de Karnezis: 1 x 0 para a Costa Rica e festa dos torcedores na arquibancada.

Aos 12, o atacante grego Mitroglou entrou no lugar do  meio-campista Samaris. A Costa Rica trocou Tejeda por Cubero. Aos 21, o zagueiro Óscar Duarte fez falta dura e levou o segundo amarelo, deixando a Costa Rica com um jogador a menos em campo.

Em desvantagem no placar, mas com a vantagem numérica de atletas, a Grécia passou a tentar pressionar os costarriquenhos, apostando principalmente em bolas alçadas na área. O gol de empate saiu aos 46 minutos do segundo tempo. Mitroglou finalizou de dentro da área e Navas defendeu, mas a bola sobrou para Sokratis balançar a rede. A Grécia ainda teve uma chance de virar a partida, quando Mitroglou cabeceou para defesa de Navas, mas o jogo foi mesmo para a prorrogação.

Prorrogação

Com um jogador a mais e empolgada pelo gol nos acréscimos, a Grécia partiu para cima da Costa Rica no primeiro tempo da prorrogação. A estratégia continuava a mesma: cruzar bolas na área. Visivelmente cansados, os costarriquenhos pareciam esperar os pênaltis. As chances de gol, no entanto, continuaram escassas. Na melhor delas, Katsouranis cruzou da direita e Gekas tentou cabecear, mas mandou para fora.

No segundo tempo, a Costa Rica tentou sair um pouco mais. Aos 5 , Cubero fez boa jogada pela direita e cruzou para a área, mas Campbell não conseguiu finalizar. Um minuto depois, a Grécia encaixou um contra-ataque e Christodoulopoulos chutou forte de dentro da área para defesa de Navas. Os gregos ainda tiveram uma excelente oportunidade aos 13 minutos, quando Gekas desviou de cabeça e a bola sobrou para Mitroglou, que chutou para nova defesa de Navas. O empate persistiu e o jogo foi para a decisão nos pênaltis. Antes das cobranças, o árbitro ainda expulsou o português Fernando Santos, técnico da Grécia, por reclamação.

Pênaltis

A Costa Rica começou cobrando e não errou nenhuma batida. Celso Borges, Bryan Ruiz, González, Campbell e Umaña anotaram. Pelo lado dos gregos, Mitroglou, Christodoulopoulos e Cholevas fizeram, mas Gekas, que bateu o quarto pênalti, viu Navas defender a bola. Depois, o costarriquenho Umaña bateu e fechou a disputa em 5 x 3.

Portal da Copa

Notícias Relacionadas

Votação popular feita por meio do site da FIFA incluiu Neymar, Thiago Silva, David Luiz e Marcelo na equipe ideal do torneio. Os argentinos Messi e Di María e o colombiano James Rodríguez também aparecem
+
Tarifa é de R$ 2,15 e os usuários que desejarem experimentar o novo modal poderão utilizar o Vale Eletrônico Metropolitano (VEM)
+
Espaços oferecem entretenimento, local para descanso, informações turísticas, internet wifi e outras comodidades para os viajantes. No Santos Dumont, 26,8 mil pessoas aproveitaram a estrutura oferecida
+
Para Joachim Löw, time germânico soube aproveitar os espaços dados pela seleção de Felipão e também o descontrole dos jogadores brasileiros após os primeiros gols
+