Ministro interino e secretário-geral da FIFA reforçam confiança em Curitiba

23/01/2014 - 17:19
Segundo Luis Fernandes, medidas adicionais adotadas para acelerar obras na Arena da Baixada vão garantir a capital paranaense na Copa. Valcke incentivou torcedores a comprarem tíquetes e reservarem voos

Maior preocupação em relação aos prazos estabelecidos para a Copa, a Arena da Baixada, em Curitiba, foi o principal tema da coletiva de imprensa realizada nesta quinta-feira (23.01), no Maracanã, após a reunião de diretoria do Comitê Organizador Local (COL) no Rio de Janeiro. Perguntados pelos jornalistas sobre a possibilidade de Curitiba ficar fora do Mundial, tanto o secretário-geral da FIFA, Jérôme Valcke, quanto o secretário-executivo do Ministério do Esporte, Luis Fernandes, fizeram questão de reforçar a confiança nas ações tomadas pelo governo federal, pelo governo do Paraná e pela Prefeitura de Curitiba para evitar qualquer mudança nos planos já estabelecidos.

» Preparação para a Copa entra na fase de ajustes operacionais

» Comitê acompanhará de perto o andamento das obras na Arena da Baixada

“Nós assumimos – o Brasil, o governo federal, os governos municipais e estaduais e os parceiros privados envolvidos na organização da Copa – um conjunto de compromissos e fornecemos garantias. Nós não aceitamos a realização da Copa em estádios que não atendam todos os compromissos e garantias que foram firmados. Na situação que se apresentou em Curitiba, por conta da responsabilidade que move a todos nós, medidas adicionais tiveram que ser adotadas. Nós achamos que, com a implementação dessas medidas, podemos garantir a entrega do estádio . Nós temos confiança de que resolveremos esse desafio e que Curitiba será mantida como sede", disse Luis Fernandes.

O secretário-executivo lembrou que, antes da Copa das Confederações, havia preocupação similar em relação à Arena Pernambuco, em Recife. “Houve muita dúvida se Recife poderia ser confirmada. A preocupação foi externada, todos os atores envolvidos tomaram as medidas necessárias e o estádio foi entregue com condições”.

O próprio Maracanã, recordou Luis Fernandes, palco da final da Copa das Confederações, era dúvida poucos meses antes do evento. "Estivemos sobrevoando o Maracanã no fim de março do ano passado, depois de chuvas torrenciais no Rio, e o estádio era um lamaçal naquele dia. E isso nos preocupava. Houve um entendimento de todos os atores envolvidos e medidas e esforços foram tomados. Então, estamos confiantes de que essas medidas acertadas serão efetivamente implantadas. Teremos um acompanhamento disso e teremos no dia 18 de fevereiro a confirmação de Curitiba como sede da Copa”, disse.

Reunião da diretoria do COL - Rio de Janeiro

Reunião da diretoria do COL - Rio de Janeiro

Desafio e integração

Para Valcke, o atraso na Arena da Baixada é um desafio, mas pode ser superado. “É um desafio, não há a menor dúvida. Mas também seria um desafio mudar e realocar os quatro jogos. Não há solução fácil. E a melhor solução é podermos organizar esses jogos em Curitiba”, disse.

O secretário-geral da FIFA frisou que a organização de uma Copa do Mundo é bastante complicada e exaltou o trabalho integrado feito com o governo brasileiro. “Talvez seja bobo ficar repetindo, mas é um grande evento que estamos organizando, e não é fácil organizar isso. Há problemas e coisas para resolver até o último minuto. Contanto que estejamos trabalhando para resolver problemas, isso é o importante. Pouquíssimos países poderiam organizar a Copa amanhã sem nosso apoio quase diário, nem a França poderia. A dimensão, amplitude e significado de um Mundial são enormes. Não estou chateado, não estou cansado. É um lindo país e somos uma bela equipe", resumiu.

Valcke ainda tranquilizou os torcedores que assistirão aos jogos na capital paranaense. “Eu diria para os torcedores que eles podem comprar ingressos. Não sei quantos ainda restam, mas podem reservar seus voos para Curitiba”.

Empenho

Durante rápida conversa com os jornalistas após visita à sede da FIFA em Zurique, na Suíça, a presidenta Dilma Rousseff também comentou o andamento das obras no país, a partir de pergunta sobre a Arena da Baixada, em Curitiba. "O governo brasileiro tem todo o empenho. E não é só nos estádios. Os estádios são obras relativamente simples. O governo tem todo o empenho para fazer a Copa das Copas. Isso inclui estádios, aeroportos, portos e as obras necessárias para que a gente seja o país que bem recebe a todos os que vem nos visitar. Quero deixar um recado: podem vir ao Brasil. Todos serão recebidos de braços abertos pelo povo brasileiro", disse.

Mateus Baeta - Portal da Copa

Notícias Relacionadas

Secretário executivo do Ministério do Esporte afirma que o aprendizado adquirido com o Mundial dará melhores condições para o Brasil enfrentar os desafios da preparação do maior evento esportivo do planeta
+
Evento “Copa 2014: legados para o Brasil” mostra resultados econômicos, culturais e de infraestrutura
+
Os legados esportivos, econômicos, de infraestrutura, de imagem e promoção do Brasil, dentre outros, serão abordados nos dois dias de palestras
+