Goleadas, golaços, favoritismos confirmados: resumo da primeira fase da Copa das Confederações

24/06/2013 - 14:26
Em 12 jogos, foram feitos 58 gols, a maior parte deles na frágil Seleção do Taiti, que encantou o público brasileiro. Os quatro campeões mundiais, detentores de 12 títulos, continuam na competição: Brasil, Uruguai, Itália e Espanha se classificaram para as semifinais

A primeira fase da Copa das Confederações da FIFA 2013 teve todos os ingredientes que um torcedor de futebol deseja: jogos de muitos gols, lances inesquecíveis, golaços dos principais craques do futebol mundial, espetáculos nas arquibancadas e muita emoção, sobretudo ligada ao Taiti, equipe mais desconhecida e que foi acolhida de um modo especial pelo público brasileiro.

Foram 58 gols em 12 partidas,com média de 4,83 por partida, a mais alta da história do torneio. Não houve o resultado de 0 x 0 nem qualquer outro empate. O público total foi de 574.180 pessoas e a média foi de 47.848 por partida. Os números de público só perdem para a edição de 1999, realizada no México.

Em se tratando de um torneio realizado no Brasil, a Seleção nacional também agradou: venceu as três partidas e se classificou em primeiro lugar no grupo A. Com esses resultados, a equipe soma 11 jogos consecutivos sem perder em Copas das Confederações, sendo 10 vitórias na sequência. Neymar foi o jogador mais jovem a marcar gol nesta edição. E se os torcedores não puderam reclamar do desempenho em campo, os jogadores também ficaram satisfeitos com o apoio vindo das arquibancadas: as três partidas tiveram casa cheia e muito incentivo. Confira o resumo de cada jogo:

A estreia  (Brasil 3 x 0 Japão –Grupo A – Brasília)

Na primeira partida da competição, em 15 de junho, o país anfitrião tinha pela frente um Japão confiante, o primeiro país a conquistar vaga para o Mundial de 2014. Nas costas da Seleção, o peso de ter que jogar e convencer, em partida considerada crucial pelo técnico Felipão para ganhar o tão importante apoio da torcida.

DaniloBorges/ Portal da Copa# Companheiros abraçam Jô, autor do terceiro gol do Brasil na vitória contra o Japão

Deu tudo certo para o Brasil no Estádio Nacional Mané Garrincha: a equipe venceu os japoneses por 3 x 0 e passou a liderar o grupo A. O primeiro gol – ou melhor, golaço - saiu logo aos três minutos de jogo e veio de um chute de primeira de Neymar. Paulinho fez o segundo quando começava a etapa complementar e Jô – que havia entrado no lugar de Fred – fechou a goelada.

Tânia Rego/ABr#

O efeito Balotelli (Itália 2 x 1 México – Grupo A – Rio de Janeiro)

A outra partida da primeira rodada do grupo A colocou frente a frente México e Itália. Os torcedores presentes no Maracanã no dia 16 de junho puderam ver uma daquelas cobranças de falta perfeitas do italiano Pirlo, abrindo o placar neste que foi centésimo jogo do volante com a camisa da Azzurra. O México reagiu e empatou de pênalti ainda no primeiro tempo com Chicharito Hernández.

O jogo foi definido pelo irreverente atacante Balotelli. Ele recebeu uma bola alta na entrada da área, dividiu na raça com dois zagueiros mexicanos, esticou a perna e tocou pro gol. A comemoração, bem ao estilo do jogador, resultou em cartão amarelo, já que Balotelli tirou a camisa para mostrar os músculos. Final: Itália 2 x 1 México.

O baile espanhol (Espanha 2 x 1 Uruguai – Grupo B – Recife)

Posse de bola, passes rápidos, muita movimentação e domínio total da campeã do mundo na partida disputada em 16 de junho na Arena Pernambuco. Quem vê o placar de 2 x 1 para a Espanha contra o Uruguai, pode pensar que o jogo foi apertado. Mas o resultado não reflete o que foi a partida.

A Fúria foi superior em campo e poderia ter ganhado por uma diferença maior de gols. O Uruguai só apertou no finalzinho e não foi suficiente. O primeiro gol da Espanha veio de um belo chute de Pedro, aos 20 minutos do primeiro tempo, e o segundo foi do atacante Soldado, aos 32 da etapa inicial. A Celeste diminuiu em bela cobrança de falta de Suárez, faltando dois minutos para o fim do jogo.

Getty Images#

O gol de honra (Nigéria 6 x 1 Taiti – Grupo B – Belo Horizonte)

A Seleção do Taiti sofreu a primeira goleada na Copa das Confederações ao perder por 6 x 1 para a Nigéria no Mineirão, em 17 de junho. Os gols africanos foram marcados por Oduamadi (três) e por Echiejile (dois), além de um gol contra do zagueiro taitiano Jonathan Tehau. E esse mesmo defensor que jogou contra as próprias redes também fez história. Ele marcou o primeiro e único gol do Taiti na Copa das Confederações.

Foi aos nove minutos do segundo tempo. Após cobrança de escanteio na segunda trave, Tehau subiu mais que o zagueiro adversário e cabeceou bem. A equipe explodiu de emoção, junto com os 20 mil torcedores que apoiaram o tempo todo a equipe da Oceania. Era só o começo de uma relação de carinho e identificação entre brasileiros e o Taiti.

A revanche (Brasil 2 x 0 México – Grupo A – Fortaleza)

Que brasileiro não estava engasgado com a derrota para o México na final das Olimpíadas de Londres no ano passado? A partida disputada na Arena Castelão no dia 19 de junho foi a resposta brasileira em campo. A Seleção venceu o México por 2 x 0 e a vitória começou a ser construída logo no hino nacional. Os 90 segundos que a FIFA permite acabaram, mas os torcedores continuaram a cantar, mesmo sem a música. Jogadores se arrepiaram e foram com tudo para cima dos mexicanos.

Neymar mostrou ao mundo porque é chamado de craque e fez mais um golaço na competição. Aos oito minutos do primeiro tempo, o atacante abriu o placar com um chute de primeira, com a perna esquerda.  E foi dele a bela jogada que originou o segundo gol já nos acréscimos: avançou pela esquerda, passou por dois mexicanos e cruzou na medida para Jô mandar para o gol.

Glauber Queiroz/ Portal da Copa#

Abelardo Mendes Jr/ Portal da Copa#

O festival de gols (Itália 4 x 3 Japão – Grupo A – Rio de Janeiro)

O jogo entre Itália e Japão foi um festival de gols, mas divididos entre as duas equipes. Em uma partida com direito a dois pênaltis e bolas na trave, a Azzurra se saiu melhor e venceu os japoneses por 4 x 3 na Arena Pernambuco no dia 19 de junho.

O primeiro gol foi do Japão, em cobrança de pênalti de Honda aos 19 do primeiro tempo. Aos 32, Kagawa aumentou  para os japoneses. De Rossi, de cabeça, diminuiu para os italianos. No começo do segundo tempo, Uchida fez gol contra e os italianos empataram a partida. Balotelli cobrou pênalti logo depois e decretou a primeira virada da Azzurra.

Os japoneses não se intimidaram. Okazaki, de cabeça, empatou novamente o jogo aos 23 minutos, para delírio dos torcedores. Mas a Itália correu atrás do prejuízo e riu por último: Giovinco fez o quarto gol dos italianos, assegurou a vitória e classificação antecipada para as semifinais.

O massacre (Espanha 10 x 0 Taiti – Grupo B – Rio de Janeiro)

O Taiti continuou com o título de Seleção Carisma da Copa das Confederações e foi aplaudido e incentivado pelos torcedores no Maracanã no dia 20 de junho. Em termos de futebol, contudo, o abismo entre a toda-poderosa Seleção Espanhola e a frágil equipe da Oceania resultou na maior goleada da história do torneio: 10 x 0.

A Espanha jogou com os reservas, mas a qualidade do banco espanhol é o sonho de muitas seleções mundo afora. Eles dominaram a partida e venceram fácil, com quatro gols de Fernando Torres, três de David Villa, dois de David Silva e um de Juan Mata.

Tânia Rego/ABr#

Danilo Borges/ Portal da Copa#O jogo decisivo (Uruguai 2 x 1 Nigéria – Grupo B – Salvador)

Ainda era a segunda rodada da fase de grupos, mas diante da força da Espanha e da fragilidade do Taiti, Uruguai e Nigéria sabiam que o jogo na Arena Fonte Nova no dia 20 de junho definiria o segundo classificado do grupo B. O técnico uruguaio mudou o time e colocou Diego Forlán para ter uma equipe mais ofensiva. Assim como o italiano Pirlo, Forlán comemorou com gol e vitória no centésimo jogo com a camisa de sua Seleção.

O primeiro gol do Uruguai saiu aos 18 minutos do primeiro tempo, com o zagueiro Diego Lugano. Os nigerianos correram atrás do resultado e, empurrados pela torcida baiana, empataram aos 36, com o camisa 10 Obi Mikel. Mas foi o camisa 10 da Celeste, Diego Forlán, que definiu o jogo aos 5 minutos da etapa final, em chute magistral de primeira.

O clássico (Brasil 4 x 2 Itália – Grupo A – Salvador)

Nove títulos mundiais em campo, muita rivalidade e disputa pelo primeiro lugar do grupo A. Em jogo pegado, de raça e de muitas faltas, o Brasil foi melhor, empolgado mais uma vez pelo hino cantado a milhares de vozes na Arena Fonte Nova em 22 de junho. David Luiz sentiu a coxa ainda no primeiro tempo e deu lugar ao baiano Dante, que entrou e abriu o placar em casa, no fim do primeiro tempo.

Na etapa final, Giaccherini empatou aos 5 minutos. A Seleção precisou de três minutos para voltar a ficar na frente, com belo gol de falta de Neymar. Fred, que não havia feito gols até então, desencantou e ampliou para o Brasil aos 21. Logo depois, no lance polêmico em que o juiz teria apitado pênalti e a defesa parou, Chiellini aproveitou e diminuiu para a Itália. Só que Fred estava inspirado, fez mais um e decretou a goleada: 4 x 2, com o Brasil classificado em primeiro do Grupo A e a Itália em segundo.

A despedida (México 2 x 1 Japão – Grupo A – Belo Horizonte)

Não valia mais nada em termos de pretensões no torneio: México e Japão já estavam eliminados, cada um com duas derrotas. Mas restava a questão de honra, a vontade de despedir-se da Copa das Confederações com pelo menos uma vitória no Mineirão no dia 23 de junho. Quem conseguiu o feito foi a equipe da América do Norte.

Os gols mexicanos foram marcados por Chicharito Hernández, que deixou a competição com um gostinho ruim, de quem queria ter ido mais longe. O gol do Japão foi de Okazaki. Chicharito ainda perdeu um pênalti, aos 47 minutos do segundo tempo.

Japão x México - Mineirão, em Belo Horizonte - 22.06.2013

Japão x México - Mineirão, em Belo Horizonte - 22.06.2013

A lógica (Espanha 3 x 0 Nigéria – Grupo B – Fortaleza)

A campeã do mundo goleou a jovem seleção da Nigéria por 3 x 0 na Arena Castelão no dia 23 de junho. Mas o resultado não mostra o trabalho que os africanos deram para os europeus, correndo, recuperando a bola e... pecando em todas as finalizações. A ansiedade e a falta de experiência pesaram contra Nigéria, que encerrou a participação na Copa das Confederações.

O lateral esquerdo Jordi Alba marcou dois gols em belas jogadas individuais, um no primeiro tempo e um na etapa final. O outro gol foi de Fernando Torres, momentos depois de entrar na partida no segundo tempo. A Espanha se classificou em primeiro no Grupo B e vai enfrentar a Itália na semifinal, em reedição da final da Eurocopa de 2012.

Espanha x Nigéria - Castelão - 23.06

Espanha x Nigéria - Castelão - 23.06

O agradecimento (Uruguai 8 x 0 Taiti – Grupo B – Recife)

O Uruguai jogou com o time reserva contra o Taiti em 23 de junho, na Arena Pernambuco, e conquistou a segunda maior goleada do torneio. A Celeste marcou oito vezes, sendo quatro gols de Abel Hernández, dois de Suárez (que entrou no segundo tempo),um de Diego Pérez e um de Lodeiro. Com a vitória, o Uruguai se classificou em segundo lugar no grupo B e enfrentará o Brasil na semifinal.

Mas, antes de ir embora, o Taiti emocionou mais uma vez público e jornalistas. Ao fim da partida, os jogadores carregaram bandeiras do Brasil, mostraram uma faixa com os dizeres “Obrigado Brasil” e deram uma espécie de volta olímpica no estádio. O público ovacionou a Seleção Carisma. E também foi com aplausos que o técnico Eddy Etaeta deixou a sala de entrevistas da arena, após agradecer os brasileiros pelo carinho e cumprimentar um por um os jornalistas. Mais uma cena inesquecível da primeira fase da Copa das Confederações do Brasil.

Abelardo Mendes Jr/ Portal da Copa#

Quatro equipes, doze títulos

Quando a competição começou, criou-se muita expectativa em torno dos participantes, já que quatro equipes somavam 12 títulos mundiais: cinco do Brasil (1958, 1962, 1970, 1994 e 2002), quatro da Itália (1934, 1938,1982 e 2006), dois do Uruguai (1930, 1950) e um da Espanha (2010). Se esse histórico fazia das quatro seleções as principais candidatas a avançar na competição, o favoritismo foi confirmado.

Na próxima quarta-feira (26.06), sete títulos vão para o Mineirão em Belo Horizonte: Brasil e Uruguai se enfrentam na primeira semifinal, marcada para 16h. No dia seguinte (27.06), no mesmo horário, outros cinco títulos estarão em campo na Arena Castelão, em Fortaleza, palco do confronto entre Espanha e Itália.

A final da competição está marcada para o dia 30, às 19h, no Maracanã, no Rio de Janeiro. Algumas horas antes, às 13h, a disputa de terceiro lugar será realizada na Arena Fonte Nova, em Salvador.

Carol Delmazo - Portal da Copa

Notícias Relacionadas

As duas equipes se enfrentarão em Singapura. Este será o quarto jogo do Brasil neste segundo semestre
+
Brasil enfrentará a Colômbia em 5 de setembro e o Equador no dia 9. Os jogos serão nos Estados Unidos
+
Taffarel será o preparador de goleiros, enquanto Mauro Silva ocupará o cargo de assistente técnico, criado para ser rotativo. Andrey Lopes será o auxiliar
+
Votação popular feita por meio do site da FIFA incluiu Neymar, Thiago Silva, David Luiz e Marcelo na equipe ideal do torneio. Os argentinos Messi e Di María e o colombiano James Rodríguez também aparecem
+