Ex-Frenéticas tenta fazer sucesso também no ramo empresarial com a Copa

21/06/2014 - 15:39
Maria Lídia Matuscelli, a Lidoka, criou a Bandoca, uma bandeja com almofada que pode ser personalizada com motivos do Brasil e do futebol

Foto: Giuliander Carpes/ Portal da CopaNa metade da década de 1970, "As Frenéticas" começaram a animar as noites da boate Frenetic Dancing Days, na Gávea, zona sul do Rio de Janeiro. Fizeram tanto sucesso que lançaram vários discos e cantaram as músicas de abertura e duas novelas da TV Globo, Dancin Days e Feijão Maravilha. O grupo de seis mulheres se desfez no início dos anos 1980 e cada uma foi para um lado.

Maria Lídia Martuscelli, a Lidoka, uma das integrantes do grupo, nunca se afastou totalmente da arte. Ela abriu uma empresa para comercializar uma invenção sua de quase 30 anos atrás. Chamou-a de Bandoca, uma bandeja com almofada que tem múltiplas utilidades.

“Tive a ideia num jantar com o Gilberto e a Flora Gil. Ela serve para jantar, ler, fazer as unhas, trabalhar. E posso personalizar com figuras diferentes, a bandeja pode ser de plástico ou madeira”, diz a empreendedora. “Para o Ivan Lins, eu fiz uma bandoca com alça que ele usa para compor enquanto toca", completa.

Com o auxílio do Sebrae, Lidoka fez bandocas com temas do Brasil, do Rio de Janeiro e do futebol para tentar alavancar suas vendas durante a Copa do Mundo. “Eu acho que as pessoas ficaram muito contidas por muito tempo, sem perceber a grandiosidade de um evento como esse, as oportunidades que ele gera. Agora que o Mundial começou, a coisa está mudando, a consciência está se expandindo. Ninguém resistiu. E eu espero que as pessoas possam descobrir a bandoca, que é ótima para assistir aos jogos também”, afirma a empresária.

Lidoka emprega 11 pessoas na fábrica que montou no bairro de Santo Cristo, na região portuária do Rio de Janeiro. “Continuo freneticamente, agora, como empresária. Tenho várias ideias para investir e expandir o conforto que a bandoca dá".

Um de seus clientes é o tradicional hotel Copacabana Palace, que usa as bandocas na área das piscinas. Na expectativa de seduzir novos clientes, Lidoka tem mostrado seus produtos no estande do Sebrae no Parque da Bola, um grande evento de transmissão da Copa do Mundo e negócios no Jockey Club Brasileiro, na Gávea.

“As pessoas ainda não conhecem a bandoca, então, preciso de um investimento muito grande em marketing para mostrá-la. Esta é uma boa oportunidade”, explica. Simpatia e energia para a tarefa não lhe faltam.

Giuliander Carpes - do Portal da Copa no Rio de Janeiro

Notícias Relacionadas

Visitantes gastaram US$ 6,9 bilhões no país. O resultado teve forte influência da Copa do Mundo
+
Mundial de futebol quebrou recordes históricos e se tornou o evento mais comentado do ano nas redes sociais em todo o mundo
+
Secretário executivo do Ministério do Esporte afirma que o aprendizado adquirido com o Mundial dará melhores condições para o Brasil enfrentar os desafios da preparação do maior evento esportivo do planeta
+