Grama da espécie Bermuda celebration e campo com novas dimensões

18/05/2013 - 00:13
Gramado foi rebaixado em 4,8 metros e plantio foi feito em rolos. Jogadores terão quatro vestiários à disposição

O tapete verde já está estendido para a decisão do Campeonato do Distrito Federal, entre Brasília e Brasiliense, neste sábado (17.05), no Estádio Nacional Mané Garrincha. A partida marca a inauguração da arena da capital do país, que também receberá a abertura da Copa das Confederações, no dia 15 de junho. O gramado foi instalado no estádio no fim de abril e a espécie adotada foi a Bermuda celebration, adequada ao clima tropical. A grama é a mesma das outras arenas da Copa que já foram inauguradas.

A planta foi cultivada em uma fazenda no município de Neópolis, interior de Sergipe. Foram necessárias 18 carretas refrigeradas para levar os rolos de 1,2m por 15m a Brasília. Todo o procedimento de instalação foi mecanizado e durou três dias. A área do campo de jogo do Estádio Nacional já estava com a drenagem pronta, com o solo compactado e a irrigação finalizada.

“Em entendimento com a FIFA foi possível usar o gramado em rolo, com maiores dimensões, para que, no momento do assentamento, ele faça um enraizamento mais rápido e não desloque quando os jogadores estiverem em campo. Cumprimos fielmente esses sistemas completos, desde a drenagem, as bases compactadas e o top soil, que é a última camada antes de chegar na grama”, explica Maruska Holanda, engenheira responsável pela obra.

Em seguida, a grama passou por fase intensa de adubação e irrigação para fixar as raízes e para o crescimento das folhas. Além disso, recebeu alguns cortes. Toda a manutenção foi feita por profissionais especializados e o tempo até o primeiro jogo, segundo os responsáveis pela arena, foi suficiente para deixar o campo em condições para a prática do futebol. A Greenleaf Gramados foi a responsável técnica pela instalação. Cerca de 60 operários trabalharam em todo o processo.

Foto: Danilo Borges/Portal da Copa#

Camadas

Quem vê de cima não imagina que o “tapete” onde a bola rola tem seis camadas, cada uma representando uma fase de construção do terreno. Dentre elas está o sistema de drenagem, que funciona por gravidade, com tubos coletores, uma camada com 15cm de areia, outra de igual tamanho com matéria orgânica e o chamado top soil, que tem 3cm de espessura. Todas essas partes do campo foram niveladas e compactadas.

“Para a drenagem, são feitas valas. Nelas é colocado o material drenante e os tubos de drenagem. Toda essa tubulação cai numa caixa central e vai para dentro do reservatório, para a recirculação e filtragem da água para a irrigação”, disse Maruska Holanda.

Com dimensões de 105m x 68m, o campo da arena foi rebaixado em 4,8m em relação à altura original do antigo Mané Garrincha. O gramado agora fica a uma distância de 7,5m das primeiras filas de arquibancadas e possui uma área total de 12 mil m². Para deixar a grama verdinha, são usados 35 aspersores, com controle automatizado e individual para a irrigação. O sistema está no comando de automação do estádio e dali o operador pode acessá-lo.

Foto: Danilo Borges/Portal da Copa#Vestiários

Os atletas também perceberão diferenças na acomodação dos quatro vestiários da arena. Cada um é equipado com armários, 14 duchas (sendo uma para pessoas com deficiência), seis boxes de banheiros (um para pessoas com deficiência) e uma banheira. “Temos quatro vestiários: dois para cada time. São estruturas que atendem todas as recomendações da FIFA, com banheiras individuais, banheiras coletivas, armários, o piso da forma que tem que ser para a segurança dos atletas. Também temos os vestiários dos árbitros. Todos são concentrados num único local do estádio”, descreve Maruska Holanda.

Traves

Fabricadas em alumínio, as traves do Estádio Nacional têm 120mm de espessura, com dimensão de 7,32m de largura por 2,44m de altura. A estrutura foi nivelada com a ajuda de um aparelho de topografia chamado Estação Total, que calcula a altura e o posicionamento ideais.

O travamento foi feito por pressão e os “postes” são desmontáveis. As redes são brancas, com formato retangular e não cairão atrás do gol. O sistema para verificar se a bola ultrapassou a linha do gol será feito pelas câmeras do estádio, como nos jogos de tênis, e não por chip.

» Acompanhe a cobertura completa do Portal da Copa para a inauguração do Estádio Nacional de Brasília

Gabriel Fialho – Portal da Copa

Notícias Relacionadas

Arena é a sétima construída para a Copa do Mundo a ter selo que atesta adoção de medidas sustentáveis na edificação. Capital gaúcha passa a ter dois palcos com registro do Green Building Council
+
No período do Mundial, a capital federal recebeu 633 mil visitantes, sendo 488.903 brasileiros e 143.743 estrangeiros. Números superaram as estimativas iniciais
+
Diretora da Unaids no Brasil se encontrou nesta terça com o ministro do Esporte, que assinou a bola que simboliza a iniciativa. Um exemplar com as rubricas da presidenta Dilma e de outros chefes de Estado será levado para a Assembleia Geral da ONU
+
Cooperativas de catadores atuaram nos 12 estádios do Mundial para a recuperação e separação dos resíduos deixados pelos torcedores durante os jogos
+