Em mais um jogo épico da Copa, Argentina elimina a Suíça na prorrogação

01/07/2014 - 15:40
Argentinos seguem adiante. Partida das quartas de final será em Brasília, no dia 5 de julho

Getty Images#Di Maria celebra o gol que salvou a Argentina na Arena Corinthians

A Argentina precisou de quase 120 minutos para fazer um gol na Suíça e seguir adiante na Copa do Mundo da FIFA Brasil 2014. Diante de 63.255 torcedores na Arena Corinthians, em São Paulo, os suíços seguraram o 0 x 0 até os 12 minutos do segundo tempo da prorrogação, mas não foram capazes de evitar que Messi fizesse grande jogada para entregar a bola no pé esquerdo de Di Maria, que marcou o único gol da partida.

Nos acréscimos, dois lances impressionantes a favor da Suíça ainda levariam emoção até o último instante da partida eliminatória. Já passavam os 15 minutos do segundo tempo da prorrogação quando o goleiro Benaglio, que correu para a área e virou atacante, desviou uma bola num escanteio meio sem direção. Ela sobrou para Shaqiri na direita do ataque. Ele cruzou na medida para Dzemaili, livre dentro da pequena área argentina. O cabeceio, no entanto, encontrou o pé da trave e voltou na perna do suíço, que não teve equilíbrio para chutar. A bola acabou saindo pela linha de fundo.

Já aos 17 minutos, uma falta na meia lua da área a favor da Suíça decretaria o último lance do jogo. Todos os jogadores argentinos se posicionaram na barreira, na linha do pênalti, para defender o goleiro Romero. Nas arquibancadas, nas Fan Fests,  em todos os pontos da Argentina e, provavelmente, até no Vaticano houve preces, que acabaram atendidas. Shaqiri cobrou a falta na barreira e, no instante seguinte, o juiz determinou o fim do jogo. 

Com o resultado, a Argentina terá pela frente o vencedor de Bélgica e Estados Unidos, que jogam às 17h, na Arena Fonte Nova, em Salvador. O confronto das quartas de final será às 13h do dia 5 de julho, no Estádio Nacional Mané Garrincha, em Brasília.

» “Foi muito sofrimento”, diz Messi sobre a partida contra a Suíça

» Suíços e argentinos viajam pelo Brasil e assistem a partidas de outros países

Getty Images#Lance que não vai sair da retina dos suíços nos próximos quatro anos: nos acréscimos da prorrogação, Dzemaili, livre dentro da pequena área, cabeceou no pé da trave e desperdiçou uma segunda chance no rebote

O jogo

Embora a Argentina mantivesse a bola a maior parte do tempo, os lances de perigo aconteceram para os dois lados durante o primeiro tempo. A Suíça teve as duas principais oportunidades.

A primeira delas foi aos 27 minutos. Shaqiri fez linda jogada pela direita do ataque, cruzou para a altura da marca do pênalti e Xhaka finalizou forte para ótima intervenção do goleiro argentino Sergio Romero. Na sequência, a Argentina foi ao ataque e Ezequiel Lavezzi pegou rebote da defesa para chutar de dentro da área, mas Benaglio defendeu sem dificuldades.

Argentinos estavam em grande número na arquibancada, cantando sem parar. Mas a rivalidade estava a favor da Suíça, e os brasileiros vibravam a cada lance da equipe europeia. Gritos de “pentacampeão” foram escutados no estádio várias vezes.

O primeiro cartão amarelo da partida saiu aos 35 minutos. O suíço Xhaka fez falta dura em Lavezzi na linha central do gramado e foi advertido pelo árbitro sueco Jonas Eriksson.

Outra chance perdida pelos suíços aconteceu aos 38. Com apenas três toques, o time europeu chegou rápido à área argentina. Shaqiri deixou Drmic sozinho, frente a frente com Romero, mas o atacante tentou lance de efeito e não conseguiu encobrir Romero.

O segundo tempo começou como o primeiro terminou: Argentina com o domínio e a Suíça encaixando contra-ataques. E foi assim que Shaqiri encontrou Drmic novamente dentro da área – e o suíço chutou para fora, sem perigo para Romero. O técnico Alejandro Sabella trocou Lavezzi por Palacio. Pela Suíça, Fernandes entrou no lugar de Xhaka e Drmic saiu para a entrada de Seferovic.

Em dois lances em menos de cinco minutos, Benaglio salvou a Suíça com defesas importantes: aos 13, em chute cruzado de Rojo pela esquerda, e a aos 16, após cabeçada de Higuaín à queima-roupa.

A Argentina partiu com tudo após os 30 minutos. Benaglio evitou mais uma boa chance aos 32, quando Messi disparou forte chute de perna esquerda. Mesmo com vários jogadores atrapalhando a visão, o goleiro suíco fez sua terceira grande defesa no jogo.

Até o fim do tempo normal, a Suíça conseguiu bravamente segurar as investidas argentinas.

Prorrogação

Diego Benaglio apareceu bem novamente no primeiro dos 30 minutos de prorrogação. Di María cobrou escanteio fechado e o goleiro saiu com os punhos fechados e evitou a finalização de Garay. Depois disso, a primeira etapa do tempo adicional não teve mais lances incisivos. As equipes sentiram o cansaço e correram menos. A Argentina mudou mais duas vezes: Marcos Rojo saiu mancando e foi substituído por Basanta, enquanto Biglia entrou no lugar de Gago.

Benaglio apareceu mais uma vez aos 3 minutos do segundo tempo. Di María arriscou de fora área e o goleiro voou para tirar a bola que entraria no ângulo esquerdo. Os argentinos seguiram pressionando e os suíços se seguravam de todas as maneiras. O técnico Ottmar Hitzfeld mudou: tirou Mehmedi e colocou Dzemaili faltando pouco tempo para o fim da prorrogação.

O gol argentino só saiu aos 12 minutos do segundo tempo do tempo extra, após ótima jogada de Messi, que arrancou pela intermediária, no centro do campo, venceu um marcador, atraiu boa parte da defesa suíça e tocou para a direita do ataque. A bola chegou açucarada para a finalização precisa de Di Maria. Benaglio, desta vez, nada pode fazer.

Nos acréscimos, o goleiro suíço foi para a área, desviou uma bola num escanteio, e ela sobrou para Shaqiri. Ele cruzou na medida para Dzemaili, livre dentro da pequena área argentina. A tentativa, de cabeça, bateu na trave. A última chance foi a falta cobrada por Shakiri, mas a esperança bateu na barreira argentina. Fim de jogo. Festa dos sul-americanos.

Portal da Copa

Notícias Relacionadas

Equipamentos substituem luminosidade do sol, favorecendo a germinação da grama
+
Estádio da abertura da Copa já rendeu R$ 6,8 milhões aos cofres corintianos, enquanto em 11 partidas como mandante neste ano, fora de Itaquera, o clube arrecadou R$ 3,2 milhões
+
Brasil e Argentina se enfrentarão no Estádio Ninho do Pássaro, na capital chinesa
+
Principais emissores de turistas foram Argentina, Chile, Colômbia e Estados Unidos
+