Copa trouxe ao Rio 886 mil turistas e movimentou R$ 4,4 bilhões

15/07/2014 - 15:56
Hotéis tiveram ocupação de 93,8% durante todo o período do evento

Foto: Friedemann Vogel - FIFA / Getty Images#A Copa do Mundo superou, e muito, a expectativa do Rio de Janeiro. Nesta terça-feira (15.07), a prefeitura da cidade divulgou um balanço e os números foram expressivos. Segundo a Empresa Municipal de Turismo (RioTur), o palco da final do Mundial recebeu 471 mil turistas estrangeiros e 415 mil visitantes nacionais, num total de 886 mil pessoas. O número de visitantes internacionais é 17,75% maior que o inicialmente previsto.

Os turistas movimentaram R$ 4,4 bilhões na cidade, valor que superou em mais de quatro vezes a estimativa de R$ 1 bilhão, feita pelo Ministério do Turismo antes do evento. O gasto médio apurado que cada visitante teve no Rio de Janeiro foi de R$ 639,52 por dia e o tempo de permanência médio ficou em torno de nove dias. As informações são de estudo elaborado pelo Observatório do Turismo da Universidade Federal Fluminense (UFF), em conjunto com a ESPM e parceria com a RioTur e o Sebrae-RJ.

“A quantidade enorme de público demonstra claramente que as pessoas vieram ao Rio de Janeiro curtir o clima de Copa do Mundo. A maioria das pessoas não tinha ingressos. O Rio não foi o coração do Mundial por acaso. Fizemos um esforço muito grande desde o início para sediar o IBC (Centro Internacional de Trasmissão) porque sabíamos que era importante que toda a imprensa internacional estivesse aqui. Foi um investimento que deu certo”, afirmou o presidente da RioTur, Antonio Pedro Figueira de Mello. A prefeitura estabeleceu áreas de imprensa com as principais paisagens da cidade ao fundo de onde foram transmitidas 221 horas de imagens por 41 emissoras de televisão de 19 países.

Entre os turistas estrangeiros, o destaque ficou para os provenientes de países vizinhos. Dos 471 mil que estiveram no Rio, 77 mil eram argentinos, 45 mil chilenos, 31 mil colombianos e 24 mil equatorianos. Além deles, havia 24 mil americanos, 16 mil franceses, 15 mil mexicanos, 10 mil ingleses e 10 mil alemães. “É uma proporção bem semelhante ao que temos durante o ano. Sem dúvida nenhuma, foi uma Copa da América do Sul. Este público ajudou muito na atmosfera que tivemos, um ambiente vibrante”, explicou Figueira de Mello.

O estudo mostrou ainda que 58% dos 1.780 turistas entrevistados pretende voltar ao Rio de Janeiro para a Olimpíada de 2016. E 98,8% dos turistas internacionais tiveram suas expectativas atingidas ou superadas – 98,3% recomendariam o destino turístico para parentes e amigos. “A gente queria aumentar a exposição turística da cidade e acho que tivemos muito sucesso nisso. Tanto que estamos prevendo que a movimentação forte de turistas na cidade vai permanecer ainda por mais de uma semana”, confia Figueira de Mello.

Maracanã, o templo do futebol

Um dos estádios mais lendários do mundo, o Maracanã se confirmou nesta Copa do Mundo como um templo do futebol. A arena, reconstruída para a Copa das Confederações e o Mundial, recebeu 519.153 mil pessoas em sete jogos – uma média de 74.164 por partida, praticamente a capacidade total disponibilizada pela FIFA, incluindo a grande final vencida pela Alemanha sobre a Argentina (1 x 0 na prorrogação). O Maracanã foi o estádio com o maior público total de todo o evento.  

Logo na primeira partida do Maracanã na Copa, aquele que se consagraria como o melhor jogador do Mundial deu mostras do que faria durante toda a competição. Numa de suas conhecidas arrancadas, Lionel Messi marcou o segundo gol da Argentina na vitória por 2 x 1 sobre a Bósnia e Herzegovina.

Depois, o público do Maracanã ainda pôde assistir à precoce eliminação da então campeã mundial Espanha, derrotada pelo Chile por 2 x 0. Bélgica e Rússia (1 x 0) e França e Equador (0 x 0) fizeram jogos menos empolgantes, mas nas oitavas de final a emoção voltou. O artilheiro da competição, James Rodríguez, marcou os dois gols da vitória da Colômbia sobre o Uruguai (2 x 0) num verdadeiro show, com direito a um dos lances mais bonitos do Mundial.

Nas quartas de final, o estádio recebeu a equipe que mais tarde seria coroada campeã bater a França numa partida equilibrada (1 x 0). A grande final foi um confronto de esquemas táticos distintos, a Alemanha trocando passes no campo de ataque, enquanto a Argentina esperava oportunidades de contra-atacar com perigo. O duelo acabou indo para a prorrogação e o alemão Mario Göetze aproveitou um raríssimo cochilo da defesa do time de Messi para marcar o golaço decisivo apenas sete minutos antes do apito final. A presidenta Dilma Rousseff entregou a taça ao capitão campeão Philipp Lahm na tribuna do estádio, onde um show de fogos encerrou a competição.

Mobilidade

78% do público que foi aos jogos no Estádio Maracanã utilizou o metrô, que tinha três estações para abastecer o palco da final da Copa. O sistema de transporte registrou 686 mil viagens de ida e volta nos sete dias de partidas.  

FIFA Fan Fest

A FIFA Fan Fest do Rio de Janeiro recebeu um total de 814.666 pessoas no interior da arena montada na praia de Copacabana – o número passou de 1 milhão se forem contabilizados os torcedores que assistiram os jogos do lado de fora em um outro telão instalado na areia. A final reuniu mais de 100 mil pessoas na Avenida Atlântica, que foi totalmente interditada para o evento.

O recorde de público da arena interna da Fan Fest foi no dia 5 de julho - jogos de quartas de final Argentina 1 x 0 Bélgica e Holanda 0 (4) x (3) 0 Costa Rica -, quando 55.533 passaram pelo local. A festa teve a apresentação de 72 atrações musicais, totalizando 76 horas de shows e 300 horas de entretenimento.

Hospedagem

Segundo a Associação Brasileira da Indústria de Hotéis (ABIH), a taxa média de ocupação dos hotéis da cidade ficou em 93,8%. Para a final, a taxa ficou em 97,66%. Os hotéis cinco estrelas foram os mais procurados, alcançando uma ocupação média de 98,15%, chegando a 99,75% na final. Nos estabelecimentos 3 e 4 estrelas, a média ficou em 93,22%, com ápice de 97,42% na partida final. A taxa de ocupação média dos albergues foi de 86% no período, sendo que a semana da final alcançou 100%, segundo a Associação de Cama e Café e Albergues do Estado do Rio de Janeiro (ACCARJ).

Muitos dos turistas sul-americanos chegaram ao Rio de Janeiro em motor homes, ônibus e carros de passeio. A prefeitura abriu áreas de acampamento gratuitas e com infraestrutura no Terreirão do Samba e no Sambódromo, no centro, e na Feira de São Cristóvão. Cerca de 900 veículos ocuparam os locais e tem até esta quarta-feira (16.07) para deixá-los – podem permanecer na cidade se dirigindo para campings no Recreio dos Bandeirantes.

Pontos turísticos

O Cristo Redentor, principal cartão postal do Rio de Janeiro, recebeu 295.917 visitantes durante todo o Mundial. A segunda semana do evento quase bateu o recorde de visitação da Jornada Mundial da Juventude do ano passado: foram 73.176 pessoas entre 16 e 22 de junho contra 74.021 durante o evento religioso – houve picos de até 12 mil visitantes por dia contra a média normal de 5 mil/dia.

Já o Pão de Açúcar, que normalmente costuma receber cerca de 3 mil pessoas por dia, teve picos de até 8 mil passageiros diários no famoso bondinho, tendo recebido 174.830 turistas no período total da Copa.

Giuliander Carpes, do Portal da Copa no Rio de Janeiro

Notícias Relacionadas

Visitantes gastaram US$ 6,9 bilhões no país. O resultado teve forte influência da Copa do Mundo
+
Secretário executivo do Ministério do Esporte afirma que o aprendizado adquirido com o Mundial dará melhores condições para o Brasil enfrentar os desafios da preparação do maior evento esportivo do planeta
+
Os legados esportivos, econômicos, de infraestrutura, de imagem e promoção do Brasil, dentre outros, serão abordados nos dois dias de palestras
+