Brasil retira 36 milhões da miséria extrema e bate meta da ONU para mortalidade infantil

23/06/2014 - 14:05
Segundo ministra, o mundo todo olha o Brasil não só por conta da Copa do Mundo, mas também pelo sucesso de políticas de combate à pobreza

Marilia Cabral#Desde 2002, quando o País conquistou o pentacampeonato de futebol, 36 milhões de brasileiros saíram da situação de extrema pobreza. Essa revolução é resultado dos programas de inclusão social, que têm na linha de frente o programa Bolsa Família. Esse programa é reconhecido pela Organização das Nações Unidas (ONU) como bom exemplo de política pública para redução das desigualdades sociais e combate à fome.

“O mundo todo olha o Brasil não só por conta da Copa do Mundo, mas também pelo sucesso de nossas políticas de combate à pobreza”, disse a ministra do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Tereza Campello (foto), em entrevista coletiva hoje no Centro Aberto de Mídia João Saldanha, no Rio de Janeiro.

Mais do que boas ideias, o Brasil hoje tem resultados concretos desses programas para mostrar, disse a ministra. “Hoje não existe mais fome no Brasil a não ser em grupos isolados”, comentou. Ela lembrou que o ministério estima que 300 mil famílias estão fora do Cadastro Único dos Programas Sociais. “O governo hoje está buscando localizá-las para incluir nos programas sociais”, disse.

Segundo a ministra, os resultados obtidos até agora permitem derrubar alguns mitos com relação ao Bolsa Família. O primeiro mito era de que as mulheres teriam mais filhos para receber mais recursos do programa. Isso não ocorreu: a taxa de fecundidade caiu nesse período, principalmente entre os beneficiários do Bolsa Família. Segundo dados do IBGE, a taxa de fecundidade no Brasil caiu de 2,4 filhos por mulher no ano 2000 para 1,77 em 2013.

O segundo mito era de que as pessoas gastariam mal o dinheiro do benefício, mas as pesquisas demonstram que o recurso vem sendo gasto prioritariamente com itens como alimentação, roupas, calçados e medicamentos. O terceiro mito era de que as pessoas deixariam de trabalhar para viver somente dos benefícios. “Os dados mostram que 70% dos adultos beneficiados pelo programa trabalham”, destacou a ministra.

Tereza Campello apontou que a mortalidade infantil por desnutrição caiu 58% desde 2002. Isso permitiu ao Brasil alcançar já em 2011 a Meta do Milênio para este item, fixada pela ONU para o ano de 2015.

Criado em 2003, o Bolsa Família é também reconhecido como o maior programa de transferência de renda com condicionalidades do mundo. O programa transfere renda às famílias pobres, que em troca devem manter os filhos na escola, manter atualizada a carteira de vacinação e se comprometer com o acompanhamento pré-natal das gestantes. O princípio é de que nenhum brasileiro viva com menos de R$ 77 por mês.

O governo monitora as famílias beneficiadas pelo Bolsa Família, e os resultados mostram que os alunos do programa também têm menor taxa de abandono escolar do que os não-beneficiários. Na saúde, os avanços impactaram, sobretudo, a vida de mulheres e crianças. Houve aumento de 50% no acompanhamento pré-natal e 99% das crianças brasileiras estão com a vacinação em dia.

De acordo com a ministra, o Bolsa Família paga hoje, em média, R$ 167 mensais a 14 milhões de famílias, que representam 50 milhões de brasileiros. O investimento no programa, em 2014, será de R$ 25 bilhões, o equivalente a cerca de 0,5% do PIB brasileiro.

O sucesso do Bolsa Família se explica, entre outros pontos, pelo fato de os recursos serem transferidos diretamente às famílias, sem intermediários, por meio de cartão bancário, e destinados preferencialmente às mulheres – 93% das famílias atendidas são chefiadas por brasileiras.
Nos últimos anos, os relatórios anuais da ONU sobre o fim da pobreza no mundo destacam o Programa Bolsa Família como importante exemplo a ser seguido para o combate à fome e redução das desigualdades. O programa é citado pela ONU como referência de “política acessível” em termos econômicos para países em desenvolvimento, dado seu baixo custo – no Brasil, o investimento representa menos de 1% do PIB de mais de R$ 4,5 trilhões.

Desde 2011, o Bolsa Família faz parte do Plano Brasil Sem Miséria, um conjunto integrado de mais de 100 programas sociais, que trouxe aperfeiçoamentos e ajustes ao Bolsa Família e tem 3 eixos principais de ação: garantia de renda, para alívio imediato da extrema pobreza; acesso a serviços públicos, para melhorar as condições de educação, saúde e cidadania das famílias; e inclusão produtiva (rural e urbana), para aumentar as capacidades e oportunidades de trabalho e geração de renda entre as famílias mais pobres.

Principais resultados dos três anos do Brasil Sem Miséria

• 1,2 milhão de matrículas em cursos de qualificação profissional para o público de mais baixa renda (Pronatec Brasil sem Miséria)
• 3,2 milhões de operações de microcrédito para beneficiários do Bolsa Família (programa Crescer)
• 600 mil cisternas para universalizar o acesso à água no semiárido (programa Água para Todos)
• 580 mil crianças do Bolsa Família matriculadas em creches da rede pública (ações do Brasil Carinhoso)

Centro Aberto de Mídia

Notícias Relacionadas

Diretora da Unaids no Brasil se encontrou nesta terça com o ministro do Esporte, que assinou a bola que simboliza a iniciativa. Um exemplar com as rubricas da presidenta Dilma e de outros chefes de Estado será levado para a Assembleia Geral da ONU
+
Foram produzidas mais de 60 mil matérias sobre o Brasil veiculadas em todo o mundo. De acordo com pesquisa realizada pela Fipe, 96,5% dos jornalistas internacionais recomendariam uma viagem ao país
+
Participação segue até segunda-feira (14.07) com auxílio a jornalistas brasileiros e estrangeiros no Forte de Copacabana
+