Arena das Dunas recebe certificação LEED de sustentabilidade

03/02/2015 - 17:13
Estádio de Natal é o nono dos utilizados durante a Copa a obter o selo

A Arena das Dunas, palco de Natal para quatro partidas da Copa do Mundo de 2014, recebeu a certificação Leadership in Energy and Environmental Design (LEED), concedido pelo US Green Building Council (USGBC) para edificações que atestam a adoção de conceitos de sustentabilidade em todo o planeta.

O estádio é o nono que recebeu jogos do Mundial a ter o selo da organização norte-americana. Os outros três estão em processo de certificação, que vai da categoria básica, na qual foi contemplada a Arena das Dunas, à Platinum. Mineirão (Platinum); Estádio Nacional de Brasília (Ouro); Maracanã, Beira-Rio, Arena Pernambuco e Fonte Nova (prata); e Arena da Amazônia e Castelão (básico) já foram certificados.

A iniciativa de adotar medidas sustentáveis na construção dos estádios foi feita de forma voluntária pelo governo brasileiro. Este foi um requisito para que o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) liberasse financiamento para as obras. A exigência, inclusive, será adotada pela FIFA para as próximas edições do Mundial.

Foto: Friedman Vogel/Getty Images#

» Mais informações sobre a Arena das Dunas

Ações

A preocupação com a sustentabilidade na Arena das Dunas teve início com a demolição do antigo estádio Machadão, que ocupava parte do terreno em que foi erguido o novo palco de futebol. Quase todo o material da demolição (99%) foi reutilizado na própria arena.

O canteiro de obras da Arena das Dunas produziu mensalmente entre duas e quatro toneladas de resíduos. Por meio de um programa interno, todo o material reciclável foi separado e destinado para coleta. A iniciativa contou com um convênio com a Companhia de Serviços Urbanos de Natal (Urbana) e a Cooperativa de Catadores de Materiais Recicláveis do Rio Grande do Norte (Coocamar).

Outros dois projetos sociais também foram implantados no estádio durante a construção. Um curso de inclusão digital para os funcionários ensinou os alunos a utilizar computadores e a Escola OAS garantiu a alfabetização de vários trabalhadores da Arena das Dunas.

Coleta de água

A cobertura da Arena das Dunas capta água para ser reutilizada. No meio da estrutura, há calhas que coletam a chuva, que é armazenada em reservatórios em baixo da arquibancada inferior. A água é filtrada e reutilizada no gramado e nos sanitários. São nove reservatórios, com volume de 3 mil metros cúbicos.

A cobertura do estádio é composta por 20 pétalas e é composta de peças em treliças metálicas de aço, cobertas externamente com telha zipada em alumínio com tratamento térmico e acústico. Internamente, o revestimento é feito com membrana tensionada de PVC. Há na estrutura claraboias translúcidas, que criam um interessante efeito de luz. O fechamento em policarbonato translúcido ajuda a melhorar a ventilação e a iluminação internas, permitindo economia de energia e conforto térmico.

LEED

A Leadership in Energy and Environmental Design (LEED) é um sistema internacional de certificação e orientação ambiental, utilizado em 143 países, com objetivo de incentivar a transformação dos projetos, obras e operação das edificações, sempre com foco na sustentabilidade. Criada pelo Conselho de Construção Sustentável dos EUA (USGBC) em 2000, a certificação chegou ao Brasil em 2007. Atualmente, são 216 edificações certificadas no Brasil, um dos países com maior número de registros no mundo.

Foto: Mike Hewitt/Getty Images#

Gabriel Fialho - Portal da Copa

Notícias Relacionadas

Arena é a sétima construída para a Copa do Mundo a ter selo que atesta adoção de medidas sustentáveis na edificação. Capital gaúcha passa a ter dois palcos com registro do Green Building Council
+
Cooperativas de catadores atuaram nos 12 estádios do Mundial para a recuperação e separação dos resíduos deixados pelos torcedores durante os jogos
+
Na arena Castelão, foram 49,4 toneladas, enquanto na Fan Fest foram outras 41,4 toneladas. Atividade envolveu 350 catadores de 17 instituições
+
Quiosques foram instalados em dez cidades-sede da Copa do Mundo. Produtos da agricultura familiar também foram usados para formar os 20 mil kits de lanches para os voluntários
+