O caminho do Equador

A história do Equador em Copas do Mundo é recente. A equipe andina se classificou para os Mundiais em 2002 e 2006. Na primeira edição, os equatorianos não passaram da fase de grupos. Quatro anos depois, a seleção chegou às oitavas de final, mas perdeu para a Inglaterra por 1 x 0. Para sua terceira participação no torneio, o Equador continua apostando em um futebol ofensivo e veloz.

Os jovens meias Antonio Valencia, do Manchester United (ING), e Cristian Noboa, do Dínamo de Moscou (RUS), além dos atacantes Felipe Caicedo, do Al Jazira (EAU), e Jefferson Montero, do Morelia (MEX), são os nomes mais cotados para liderarem essa nova etapa do futebol equatoriano. Eles são acompanhados por jogadores experientes que se mantêm em alto nível, como os meio-campistas Edison Méndez, do Independiente Santa Fé (COL), e Walter Avoyí, do Pachuca (MEX). O zagueiro Frickson Erazo, que atua pelo Flamengo (BRA), também está na lista.

O passaporte para o Mundial foi carimbado com o quarto lugar nas Eliminatórias da América do Sul, o que garantiu vaga direta ao Equador. O destaque da campanha foi Caicedo, que anotou sete gols no classificatório. Apesar de ter conquistado sete vitórias e um empate em casa, os equatorianos obtiveram apenas três empates quando atuaram fora de seus domínios.

O desafio no Brasil começa no dia 15 de junho, contra a Suíça, no Estádio Nacional Mané Garrincha, em Brasília. A segunda partida será em Curitiba, contra Honduras. A bola rola no dia 20 de junho, na Arena da Baixada. Encerrando a fase de grupos, os equatorianos enfrentam a França no Maracanã, no Rio de Janeiro, no dia 25 de junho.

Portal da Copa