Foto: Glauber Queiroz/Portal da Copa#Itália e Uruguai já se enfrentaram na Copa das Confederações. Reedição do confronto será na Arena das Dunas, em Natal

Três campeões mundiais reunidos

“Girone della morte”, como disse o técnico italiano Cesare Prandelli, o Grupo D da Copa reúne nada menos que sete títulos mundiais. Quis a sorte que o Uruguai, bicampeão e cabeça de chave, tivesse que enfrentar logo na fase inicial dois europeus vencedores da Copa: Itália e Inglaterra. Completa o grupo a Costa Rica.

“Vivemos de grandes emoções. É a nossa história desde que começaram os mundiais. Felizmente estaremos no Brasil e tentaremos dar o máximo em cada partida”, disse Celso Quintas, auxiliar técnico do Uruguai. A estreia uruguaia será contra a Costa Rica, às 16h do dia 14 de junho, na Arena Castelão, em Fortaleza.

A equipe da América Central, por sua vez, sabe que terá de se superar para seguir adiante. “Temos que nos preparar muito, mas tenho plena confiança no nosso trabalho. Não temos que temer. Esse é nosso grupo e vamos enfrentá-lo com vontade e com trabalho. Uruguai e Itália são duas equipes táticas, já os vi várias vezes. A Inglaterra está buscando seu futebol neste momento. Já enfrentamos potências como Brasil e Espanha e vamos motivados”, disse o técnico da Costa Rica, Jorge Luis Pinto.

Motivação também não falta para a Inglaterra. Para o técnico Roy Hodgson, o título de "grupo da morte" se deve em boa parte pela presença da equipe comandada por ele. "Nossos adversários têm jogadores de altíssimo nível. Suárez é um jogador de primeira, assim como Cavani, Balotelli ou Pirlo. Mas também gosto de pensar que temos dois ou três jogadores em nossa seleção que estão no mesmo nível, e que a Itália e o Uruguai estão começando a pensar em Gerrard, Rooney e Cia", disse.

Desafios do clima

Inglaterra e Itália farão o outro jogo da primeira rodada também em 14 de junho, às 18h (horário local), na Arena da Amazônia, em Manaus. A Azzurra disputa a segunda partida em 20 de junho na Arena Pernambuco, na região metropolitana do Recife, às 13h, contra a Costa Rica. O último jogo será contra o Uruguai na Arena das Dunas, em Natal, em 24 de junho, também às 13h. São três cidades que registram altas temperaturas. “Sabemos que enfrentaremos calor e umidade, mas são algumas das cidades mais bonitas do Brasil. Então vamos olhar também para o aspecto arquitetônico”, disse Prandelli.

Uruguai e Inglaterra se enfrentam em clima mais ameno, em partida marcada para 19 de junho, às 16h, na Arena Corinthians, em São Paulo. Os ingleses também não enfrentarão muito calor no jogo contra a Costa Rica, em 24 de junho, às 13h, no Mineirão, em Belo Horizonte. E é justamente o clima um dos fatores que podem ajudar os costarriquenhos a surpreender os campeões mundiais.

“Vamos jogar de 22 graus para cima, creio que Belo Horizonte será o mais frio que enfrentaremos. Isso é uma vantagem, estamos adaptados a esse clima. Inglaterra e Itália nem tanto. Uruguai está acostumado com o calor e com o frio. Mas certamente isso vai nos ajudar em algo”, disse Jorge Pinto.

Replay

Um dos confrontos do Grupo D já foi visto pelos brasileiros durante a Copa das Confederações da FIFA 2013. Uruguai e Itália se enfrentaram na disputa do terceiro lugar da competição em junho na Arena Fonte Nova, em Salvador. Após empate por  2 x 2 no tempo regulamentar e manutenção do resultado na prorrogação, o jogo foi decidido nos pênaltis, com vitória da Itália por 3 x 2 e belas defesas do goleiro Buffon.

Os brasileiros vão assistir novamente a essa partida, desta vez em Natal. “Nós nos conhecemos bem, mas é uma informação para nós e para eles. O que vai acontecer nesse jogo, que vai ser o último da primeira fase, só saberemos no futuro”, disse o uruguaio Celso Quintas.

Veja também:

» O caminho de cada seleção na Copa do Mundo

» Quais jogos cada cidade-sede receberá

» Técnico do Uruguai confia em organização do Brasil e elogia estádios da Copa das Confederações

» Albertini acredita em entrosamento e qualidade da Itália, mas se preocupa com desgaste dos jogadores

» Jogar contra os grandes motiva ainda mais os jogadores, diz técnico da Costa Rica