Domínio brasileiro

A primeira edição da Copa das Confederações não tinha o formato atual. Com apenas quatro equipes, o torneio foi realizado na Arábia Saudita em 1992, sob o nome de Copa Rei Fahd. A Arábia ainda sediaria as edições de 1995 e 1997. Somente em 1999 a Copa das Confederações foi disputada em outro país, no México.

As edições seguintes passaram a ser disputadas um ano antes da Copa do Mundo, sempre no país que receberia o Mundial. Foi assim em 2001 no Japão e na Coreia do Sul, em 2005 na Alemanha, em 2009 na África do Sul e em 2013 no Brasil. A exceção foi 2003, quando houve uma edição na França. O Brasil é o maior vencedor, com quatro títulos (1997, 2005, 2009 e 2013), seguido pela França (2003 e 2001). Argentina (1992), Dinamarca (1995) e México (1999) têm um título cada.

» 1992
País-sede: Arábia Saudita
Campeã: Argentina

A disputa foi feita no modelo de semifinal e final em uma única cidade: Riad. No sorteio, uma partida colocou frente a frente Argentina e Costa do Marfim, enquanto na outra os donos da casa mediram forças contra os Estados Unidos. Os sauditas venceram por 3 x 0 os estadunidenses, enquanto os argentinos bateram os marfinenses por 4 x 0. Na disputa do terceiro lugar, os Estados Unidos derrotaram os africanos por 5 x 2. A Argentina confirmou o favoritismo e derrotou os anfitriões por 3 x 1 na decisão.

» 1995
País-sede: Arábia Saudita
Campeã: Dinamarca

Na segunda edição do torneio, em 1995, a novidade ficou pelo formato e pela quantidade de seleções: dois grupos de três equipes. A Dinamarca eliminou os sauditas e o México pela chave A, enquanto a Argentina despachou a Nigéria e o Japão pela chave B. O terceiro lugar ficou com os mexicanos, que derrotaram os nigerianos nos pênaltis. Na decisão, a Dinamarca venceu por 2 x 0 os sul-americanos. 

» 1997
País-sede: Arábia Saudita
Campeão: Brasil

A sede foi a mesma das edições anteriores, mas a Copa das Confederações contou com oito seleções e foi disputada no mesmo formato que permanece até hoje: dois grupos com quatro equipes, com as duas primeiras de cada chave se enfrentando na semifinal, seguida de uma decisão.

Pela primeira vez o Brasil disputou o torneio e de quebra levou o título ao golear na decisão a Austrália por 6 x 0. Com Denílson, Ronaldo, Romário, Rivaldo, Cafu, Roberto Carlos e outros craques, a Seleção bateu a Arábia Saudita na estreia por 3 x 0, empatou com os australianos sem gols e finalizou a participação no Grupo A contra o México, vencendo por 3 x 2.

Na semifinal, os brasileiros enfrentaram a República Tcheca, segunda colocada no Grupo B, e venceram por 2 x 0. No outro jogo, o Uruguai, que estava com 100% no torneio, foi derrotado pela Austrália por 1 x 0, na prorrogação. Os sul americanos perderiam ainda a disputa do terceiro lugar para os tchecos, também pelo placar mínimo.

» 1999
País-sede: México
Campeão: México

Com a Copa das Confederações saindo da Arábia Saudita pela primeira vez, os anfitriões mexicanos levaram a taça. Mesmo assim, os sauditas surpreenderam ao chegar às semifinais. Aliás, os donos da casa estrearam contra os asiáticos e golearam por 5 x 1, que iriam reagir na última partida do Grupo A devolvendo os 5 x 1 em cima do Egito. O grupo ainda contava com a Bolívia, que, assim como os egípcios, foi eliminada na primeira fase.

Na outra chave, o Brasil enfrentou a Alemanha na estreia e goleou por 4 x 0, com gols de Ronaldinho Gaúcho, Zé Roberto e dois de Alex. Na rodada seguinte, os brasileiros venceram os Estados Unidos por 1 x 0 e fecharam a participação no Grupo B batendo a Nova Zelândia por 2 x 0. Os alemães acabaram desclassificados ao perder para os EUA por 2 x 0 na terceira rodada. 

A semifinal reservou um clássico da América do Norte, entre México e Estados Unidos. Os anfitriões venceram por 1 x 0, com um gol de ouro de Blanco na prorrogação. Na outra partida o Brasil não tomou conhecimento da Arábia Saudita e atropelou por 8 x 2. Os EUA ficaram com a terceira colocação ao vencer por 2 x 0 os sauditas. Na decisão, uma emocionante vitória mexicana por 4 x 3 sobre o Brasil.

» 2001
País-sede: Japão e Coreia do Sul
Campeã: França

O Brasil marcou presença pela terceira vez seguida na Copa das Confederações, mas quem levou o torneio foi a França. Campeã Mundial em 1998, a seleção francesa derrotou mais uma vez a brasileira, como na final da Copa do Mundo anterior. Dessa vez a partida foi válida pela semifinal e os europeus venceram por 2 x 1. Na decisão, os “azuis” bateram o Japão por 1 x 0 e levantaram a taça na casa do adversário.

No Grupo A, a França goleou a Coreia do Sul (5 x 0) e o México (4 x 0) e, apesar da derrota por 1 x 0 para os australianos na segunda rodada, classificou-se em primeiro na chave. Pelo Grupo B, o Brasil passou na estreia por Camarões (2 x 0) e empatou sem gols com Canadá e Japão. Dessa forma, os asiáticos, que venceram os dois primeiros compromissos, classificaram-se em primeiro na chave.

Na semifinal, um confronto entre Japão e Austrália colocou frente a frente duas seleções sem tradição em Mundiais. Melhor para os japoneses, que venceram por 1 x 0. A Austrália ainda venceria o Brasil na disputa pelo terceiro lugar, também pelo placar mínimo. 

» 2003
País-sede: França
Campeã: França

A França se tornaria a primeira seleção bicampeã da Copa das Confederações. Jogando em casa, os europeus superaram a fraca campanha no Mundial de 2002, quando foram eliminados na primeira fase, para levantar a taça com cinco vitórias e 100% de aproveitamento. Pela primeira vez na história da competição, uma equipe africana chegava à final.

Incentivada pela torcida, a seleção francesa pouco a pouco encontrou o ritmo de jogo, vencendo a Colômbia por 1 x 0 na estreia do Grupo A, o Japão por 2 x 1 e a Nova Zelândia por 5 x 0. Na semifinal, a França bateu a Turquia, que havia chegado à mesma fase na Copa do Mundo anterior, por 3 x 2.
No Grupo B, o Brasil acabou eliminado na primeira fase, em sua pior participação no torneio. Melhor para Camarões, líder da chave, e Turquia, segunda colocada. A Seleção Brasileira perdeu de 1 x 0 para os africanos, venceu por 1 x 0 os EUA e empatou com os turcos em 2 x 2, sendo desclassificado no número de gols marcados.

Na semifinal entre Camarões e Colômbia, uma tragédia marcou a partida. O meio-campista camaronês Marc-Vivien Foé morreu em campo após sofrer uma parada cardíaca. A partida foi até o fim e os africanos ganharam por 1 x 0. A Colômbia também perderia o terceiro lugar para os turcos, derrotada por 2 x 1.

» 2005
País-sede: Alemanha
Campeão: Brasil

Na edição da Copa das Confederações disputada na Alemanha, o que se viu foi um show de bola da Seleção Brasileira nas fases decisivas, o que credenciou a equipe como favorita ao título Mundial a ser disputado no ano seguinte. O melhor ficou guardado para a final, quando o Brasil goleou a arquirrival Argentina por 4 x 1, com uma bela apresentação de Ronaldinho Gaúcho, Adriano, Robinho e Kaká. O torneio também contou com grandes exibições da Argentina, do México e dos anfitriões.
Pelo Grupo A, Argentina e Alemanha chegaram à última rodada já classificadas e disputando o primeiro lugar da chave. O empate em 2 x 2 daria aos alemães a liderança da chave. No entanto, sul americanos e europeus não tiveram vida fácil contra Tunísia e Austrália. A Alemanha venceu por 4 x 3 os australianos na estreia e os argentinos passaram por 2 x 1 pelos africanos.

O Brasil estreou vencendo os gregos, campeões europeus, por 3 x 0. Na segunda rodada, a Seleção caiu diante do México por 1 x 0 e disputaria a classificação contra os japoneses na última rodada. O segundo lugar da chave veio graças ao saldo de gols, após o empate em 2 x 2 com os asiáticos.

Na semifinal, a equipe canarinho enfrentou os donos da casa numa partida emocionante. A primeira etapa terminou empatada em 2 x 2, com gols, na ordem, de Adriano, Podolski, Ronaldinho aos 43 minutos, e Ballack aos 48 minutos. No segundo tempo, Adriano, artilheiro da Copa das Confederações, ainda anotaria aos 31 minutos e daria a vaga ao Brasil.

Na outra semifinal, outro jogo eletrizante. A Argentina só conseguiu passar pelo México nos pênaltis (6 x 5), após um 0 x 0 no tempo normal e um empate em 1 x 1 na prorrogação. A Alemanha ficaria com o terceiro lugar após empate em 3 x 3 com os mexicanos e vitória de 1 x 0 no tempo extra.

» 2009
País-sede: África do Sul
Campeão: Brasil

O Brasil se tronou o maior vencedor da Copa das Confederações na última edição, disputada na África do Sul. A estreia contra o Egito pareceu um prenúncio de que a Seleção não teria vida fácil. E o maior exemplo ficou por conta da final contra os Estados Unidos, que terminaram o primeiro tempo da partida com vantagem de 2 x 0. Mas, na base da raça, cujo símbolo foi o zagueiro Lúcio, que marcaria o gol da virada por 3 x 2 nos minutos finais, os brasileiros conseguiram erguer o troféu.

Pelo Grupo A, o primeiro país africano a sediar a Copa das Confederações e também o Mundial do ano seguinte, a África do Sul tentava fazer bonito para a sua empolgada torcida. Após o empate sem gols com o Iraque na estreia, os sul-africanos bateram a Nova Zelândia por 2 x 0 e, apesar da derrota por 2 x 0 para a Espanha na partida seguinte, classificaram-se como segundos da chave. A Espanha conquistou a liderança e os 100% na primeira fase, após bater os neozelandeses por 5 x 0 e os iraquianos por 1 x 0.

A vitória por 4 x 3 contra os egípcios na estreia pareceu mais difícil do que se esperava para o Brasil. No entanto, nos dois confrontos seguintes pelo Grupo B, a Seleção construiu vitórias elásticas contra os Estados Unidos e a Itália, ambas por 3 x 0. A segunda colocação da chave ficou com os norte americanos, que superaram no número de gols marcados a Itália e no saldo o Egito, já que as três equipes terminaram a fase com os mesmos três pontos.

Na semifinal, a surpresa ficou por conta dos Estados Unidos, que desbancaram a favorita Espanha, que viria a ser campeã mundial no ano seguinte, com uma vitória por 2 x 0. O Brasil passou pelos anfitriões por 1 x 0, com um gol de falta de Daniel Alves a dois minutos do fim. Na decisão do terceiro lugar, melhor para os europeus, que, após empatarem em 2 x 2 no tempo normal, superaram a África do Sul por 1 x 0 na prorrogação.

» 2013
País-sede: Brasil
Campeão: Brasil

Em 2013, o torneio reuniu seleções que ostentam 12 títulos mundiais: cinco do Brasil, quatro da Itália, dois do Uruguai e um da Espanha. Os outros participantes foram México, Nigéria, Japão e Taiti. O Brasil sagrou-se tetracampeão da competição ao vencer a Espanha por 3 x 0 na final disputada no Maracanã.

A campanha foi impecável: cinco jogos, cinco vitórias, com 14 gols feitos e três sofridos. A estreia no Estádio Nacional de Brasília Mané Garrincha, em que a Seleção venceu o Japão por 3 x 0, foi o início de uma parceria fundamental com a torcida que durou até o último minuto de jogo na competição. Os outros oponentes do Brasil no Grupo A foram México e Itália. A Seleção venceu o adversário norte-americano por 2 x0 e conseguiu a revanche, já que os mexicanos haviam vencido a equipe nacional na final dos jogos olímpicos de Londres em 2012. Na terceira rodada, o Brasil comemorou um excelente resultado em cima da Azzurra: 4 x 2, o que garantiu a primeira colocação no grupo. A Itália classificou-se em segundo, já que também venceu os mexicanos (2 x 1) e superou o Japão, em emocionante partida de sete gols (4 x 3 para o os europeus).

Pelo Grupo B, a atual campeã mundial confirmou o favoritismo e classificou-se em primeiro lugar, com três vitórias. A Espanha derrotou o Uruguai por 2 x 1, o estreante Taiti pela histórica goleada de 10 x 0 e a Nigéria por 3x 0. A Celeste ficou com a segunda colocação, vencendo a Nigéria por 2 x 1 e os taitianos por 8 x0. Com uma equipe formada praticamente por amadores, o Taiti conquistou o público brasileiro e ganhou admiradores em todas as sedes por onde passou.

Na semifinal, o Brasil superou o Uruguai em um jogo difícil, decidido quase no fim com um gol de Paulinho: 2 x 1 para o time da casa. Na outra partida, Espanha e Itália travaram uma batalha épica de 120 minutos, já que o tempo regulamentar terminou em 0 x0. Sem gols também na prorrogação, a disputa foi para os pênaltis e a Espanha classificou-se para a final, ao vencer as cobranças por 7 x 6.

Na disputa de terceiro lugar, a Itália ganhou do Uruguai somente nos pênaltis, depois de mais um tempo extra, após empate por 2 x 2 no tempo normal. Desta vez, o goleiro Buffon da Azzurra defendeu três cobranças e garantiu a medalha de bronze. Na grande final, o Maracanã testemunhou um excelente jogo entre Brasil e Espanha, em que o maior campeão de todos os tempos superou a atual campeã com um placar incontestável de 3 x 0. Foram dois gols do artilheiro fred e um do melhor jogador da competição: Neymar.