Gastronomia brasileira: rica, tradicional e inventiva

A riqueza da culinária do Brasil é fruto de uma grande mistura. À imensa diversidade de ingredientes cultivados em território nacional, somaram-se os ingredientes trazidos pelos povos que para cá migraram ao longo dos anos. Da mesma forma, os hábitos de cozimento, de tratamento dado aos ingredientes e modos de servir unem a tradição de cada povo à inventividade do brasileiro. Assim, um mesmo prato pode ter inúmeros modos de preparo, e um ingrediente milenar sempre pode surpreender ao ser apresentado de uma nova maneira.

Alguns traços, porém, marcam mais algumas regiões. As transformações não param, mas é possível rastrear tradições e origens que, de alguma maneira, ainda caracterizam algumas cozinhas regionais. A região Norte, por exemplo, é profundamente marcada pelo bioma amazônico, que oferece deliciosos peixes de rio, e pelos hábitos dos índios, que domaram a mandioca. No Sudeste, ingredientes e modos de conserva utilizados pelos bandeirantes ainda marcam os hábitos locais. É a região da comida caipira e da comida caiçara. Mas é também no Sudeste que se concentram as capitais gastronômicas, onde se pode experimentar de tudo o que há de novo.

» Os destaques do Sul

» Os quitutes do Sudeste

» As iguarias do Nordeste

» As tradições do Norte

» Os sabores do Centro-Oeste

» Livro: a cultura através da Gastronomia

A variação do clima e dos biomas pelo território brasileiro, as tradições e as inovações favorecem o uso de ingredientes e técnicas diversas. Assim, não é possível citar um prato típico que represente sozinho a riqueza da culinária brasileira. Para entender mais essa complexidade, vale a pena conhecer as características, as influências culturais, os principais ingredientes e os pratos típicos de cada região.

Doces nacionais
O país tem poucos pratos que poderiam simbolizar, sozinhos, a cozinha nacional, mas alguns doces podem ser encontrados em praticamente todo o território.

Brigadeiro (foto)
Este tem o posto de autêntico doce brasileiro, Trata-se de uma mistura de leite condensado, chocolate em pó e manteiga que vai ao fogo até engrossar. Depois, é enrolado e coberto com chocolate granulado. Tradicionalmente servido em festas infantis, hoje é encontrado até em lojas especializadas no doce.

Goiabada
A receita básica vem da marmelada, que é um doce de conserva feito com marmelo. É um doce parecido com geleia, mas que inclui a casca e o bagaço da fruta. Pelo Brasil, a marmelada de goiaba é encontrada com diferentes proporções de polpa e de açúcar e em diferentes consistências. A “cascão” é mais dura, por exemplo.

Rapadura (foto)
Mais comum no Nordeste, o doce é feito a partir do caldo de cana de açúcar. Pode ser consumido em lascas, como sobremesa, ou mesmo usado para adoçar, como o açúcar.

Vinhos
O Sul tem a maior produção de vinhos do país, ocupando principalmente a Serra Catarinense e o Vale dos Vinhedos no Rio Grande do Sul. As uvas mais usadas são do tipo Cabernet Sauvignon e Merlot. O vinho espumante brasileiro ganhou destaque na crítica especializada, mas o tinto ainda é o mais consumido no País. Em pleno semiárido, em municípios da Bahia e de Pernambuco, a região Nordeste também produz a bebida. O clima seco, a incidência de sol durante todo o ano e a irrigação artificial permitem mais de uma colheita ao ano. Os espumantes são o destaque.

 

Fonte: Ministério do Turismo