Ministra defende ênfase nas políticas de proteção à infância a partir dos megaeventos

24/11/2011 - 12:19
Segundo Maria do Rosário, titular da Secretaria de Direitos Humanos, é preciso trabalhar para que as grandes obras no Brasil sejam grandes obras para crianças e adolescentes

Junto com as grandes obras, que atraem milhares de trabalhadores temporários para uma região, a Copa do Mundo da FIFA 2014 e as Olimpíadas de 2016 estão entre os principais desafios para as políticas públicas de proteção a crianças e adolescentes nos próximos anos. A avaliação é da ministra da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, Maria do Rosário, que participou nesta quinta-feira, 24.11, da abertura do 2º Congresso Brasileiro dos Direitos da Criança e do Adolescente.

Segundo ela, a preocupação está incluída no Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes, aprovado em abril, e que está na fase de definição de metas. “Temos que trabalhar para que grandes obras no Brasil sejam grandes obras para a infância”, disse. Uma das principais estratégias, segundo a ministra, é a melhoria e o fortalecimento dos conselhos tutelares, que, apesar de estarem presentes em 98% dos municípios brasileiros, nem sempre teriam autonomia ou capacidade de fazer valer os direitos de crianças e adolescentes.

“Os conselhos não conseguem exercer suas funções com toda a amplitude do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA). É preciso haver uma adequação nos conselhos, definir os critérios para seleção de conselheiros, melhorar as condições de trabalho e garantir monitoramento pela sociedade”, listou.

A criação de núcleos de atendimento integrados, que reúnam conselhos tutelares e representantes do Ministério Público em um mesmo local, e o uso de tecnologias para busca de crianças desaparecidas também foram lembrados por Maria do Rosário como medidas para fortalecer as instâncias de proteção dos direitos de crianças e jovens durante os megaeventos.

Leia também: "Turismo e Esporte participam de debate sobre proteção da criança e do adolescente"

Luana Lourenço - Agência Brasil

Notícias Relacionadas

Terminais que tiveram obras entregues foram os melhores avaliados em levantamento realizado entre abril e junho
+
Com a reforma da antiga estrutura e a construção de novos espaços, a capacidade do local poderá chegar a 25 milhões de passageiros por ano
+
Ideli Salvatti participou do seminário “Impacto das Grandes Obras na Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes” na Câmara dos Deputados
+
Documento foi assinado entre o Conselho, a FIFA e o COL, com o objetivo de assegurar a presença dos Juizados do Torcedor e da Infância e Juventude nos estádios que receberão os jogos do Mundial
+